Publicidade

Correio Braziliense

Em 2017, incêndios deixaram vítimas e marcas de destruição pelo mundo

Levantamento feito pelo Correio aponta que ao menos 162 pessoas morreram devido a incêndios de grandes proporções e mais de 481 mil hectares de florestas foram destruídos


postado em 23/10/2017 09:02 / atualizado em 23/10/2017 13:10

Portugal foi atingido pelos incêndios florestais mais mortíferos de sua história(foto: Francisco Leong/AFP)
Portugal foi atingido pelos incêndios florestais mais mortíferos de sua história (foto: Francisco Leong/AFP)
 
O incêndio que atinge o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, é mais um no ano que pode ficar marcado pelas destruições por chamas no mundo inteiro. Várias Florestas e até prédio foram devastados pelo fogo em 2017. Um levantamento feito pelo Correio mostra que ao menos 162 pessoas morreram devido a incêndios de grandes proporções e mais de 481 mil hectares de florestas foram destruídos.
 
Em Brasília, um incêndio de grandes proporções atingiu o Parque Nacional em agosto. A área queimada equivale à 10,8% do parque, que tem cerca de 30 mil hectares e abrange áreas das regiões administrativas de Brasília, Sobradinho e Brazlândia.
Ver galeria . 6 Fotos Breno Fortes/CB/D.A Press
(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press )
 

Chapada dos Veadeiros (GO)

Em 11 de outubro, um incêndio de grandes proporções atingiu áreas próximas ao município de Alto Paraíso e a Vila de São Jorge, no o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. O local chegou a ficar fechado durante todo o feriado de Nossa Senhora Aparecida, celebrado em 12 de outubro. O incêndio foi controlado e o local foi reaberto em 16 de outubro. Mas no dia seguinte foi novamente fehcado devido a um novo incêndio. O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade(ICMBio) diz que, até agora, 35 mil hectares (14,6%) foram atingidos. Na semana passada, outro foco de incêndio, logo controlado, destruiu cerca de 3 mil hectares.

Portugal 

Os com maiores consequências e vítimas ocorreram em Portugal. O país foi atingido pelos incêndios florestais mais mortíferos de sua história, com um saldo de 64 mortos em Pedrógão Grande, em junho, 100 km ao norte de Lisboa, seguidos de 44 mortos na semana passada, no norte e centro do país. Mais de 316 mil hectares foram destruídios.
Ver galeria . 15 Fotos Um grande incêndio florestal deixou ao menos 62 mortos e cerca de 60 feridos no centro de PortugalAFP/Patricia de Melo Moreira
Um grande incêndio florestal deixou ao menos 62 mortos e cerca de 60 feridos no centro de Portugal (foto: AFP/Patricia de Melo Moreira )
 

Galícia 

Colada em Portugal, a Espanha também passou pela mesma catástrofe. Na região espanhola da Galícia, quatro pessoas morreram devido aos mais de 100 incêndios florestais registrados, com mais de 35.000 hectares destruídos em outubro e o fogo foi agravado pelo forte vento e as altas temperaturas.

Califórnia

Nos Estados Unidos, 42 pessoas tiveram mortes provocadas pelos incêndios que desde 9 de outubro devastaram o norte do estado da Califórnia. Mais de 85 mil hectares foram queimados e um total de 22 mil pessoas ainda não conseguiram voltar para seus lares. Há alguns dias, esse número ultrapassavam os 75 mil moradores. Mais de 85 mil hectares foram destruídios.
Ver galeria . 8 Fotos O incêndio que devasta a Califórnia, nos Estados Unidos, já matou 31 pessoas. Outras 400 estão desaparecidasJustin Sullivan/Getty Images/AFP
O incêndio que devasta a Califórnia, nos Estados Unidos, já matou 31 pessoas. Outras 400 estão desaparecidas (foto: Justin Sullivan/Getty Images/AFP )
 

Grécia 

Na Grécia, não houve vítimas. Mas três incêndios arrasaram florestas, morros, terrenos agrícolas e destruíram cultivos que já haviam sido arrasados em 2007, quando o fogo deixou 77 mortos. 

França

Em julho, Os incêndios florestais forçaram a evacuação de mais de 10 mil de pessoas, incluindo milhares de turistas, no sul da França e destruíram 7 mil hectares em três dias. Muitos dormiram em barracas de camping, ou protegidos apenas por cobertores na areia das praias. Não houve registro de vítimas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade