Publicidade

Correio Braziliense

Turquia prende quase 200 pessoas em operação anti-Estado Islâmico

A Turquia sofreu nos últimos anos atentados violentos atribuídos aos EI ou reivindicados pela organização extremista


''

1.500 homens da segurança turca trabalharam para prenderam os terroristas(foto: / AFP / ILYAS AKENGIN)
1.500 homens da segurança turca trabalharam para prenderam os terroristas (foto: / AFP / ILYAS AKENGIN)


As autoridades turcas detiveram nesta sexta-feira 82 estrangeiros suspeitos de vínculos com a organização Estado Islâmico (EI) e que planejavam viajar para a Síria, informou a agência Anatólia. Os detidos, que não tiveram as nacionalidades informadas, também são suspeitos de já ter combatido nas fileiras do EI.

Por outro lado, 11 sírios supostamente membros do grupo extremista também foram presos em  Adana, sul do país. Na véspera, as autoridades turcas já haviam anunciado que prenderam mais de 100 supostos membros do EI em uma operação na capital.

Um total de 1.500 policiais participou na grande operação, depois que as autoridades emitiram ordens de detenção contra 245 supostos membros do EI. As forças de segurança realizaram ações de busca e apreensão em 250 endereços de Ancara e nas localidades próximas. De acordo com a agência, os policiais encontraram documentos ligados à organização extremista.

A Turquia sofreu nos últimos anos atentados violentos atribuídos aos EI ou reivindicados pela organização extremista. O mais recente deixou 39 mortos em uma famosa discoteca de Istambul na noite de ano novo. O suposto autor deste ataque com um fuzil, Abdulkadir Masharipov, de nacionalidade uzbeque, foi preso em janeiro. O julgamento deve começar no dia 11 de dezembro.

Desde então, as autoridades reforçaram consideravelmente as medidas de segurança e prenderam vários supostos "terroristas". De acordo com dados divulgados pelo ministério do Interior, 450 pessoas suspeitas de vínculos com o EI foram detidas em território turco durante outubro.

Em janeiro deste ano, um ataque terrorista matou 39 pessoas em uma discoteca em Istambul(foto: AFP / OZAN KOSE)
Em janeiro deste ano, um ataque terrorista matou 39 pessoas em uma discoteca em Istambul (foto: AFP / OZAN KOSE)


As autoridades turcas foram acusadas durante muito tempo de fechar os olhos para as atividades dos jihadistas na fronteira com a Síria, mas há dois anos intensificaram as operações contra as células do EI em todo o país. Também iniciaram uma ofensiva na fronteira com a Síria entre agosto de 2016 e março de 2017 contra o EI e as milícias curdas que Ancara considera "terroristas".

A ofensiva, com o nome "Escudo de Eufrates", permitiu aos rebeldes sírios apoiados pela Turquia retomar do EI o controle de várias cidades, incluindo Jarabulus, Al-Rai, Dabiq e finalmente Al-Bab. A Turquia mobilizou no mês passado unidades de blindados na província síria de Idlib, controlada em grande parte por extremistas do antigo braço da Al-Qaeda na Síria, para criar uma "zona de distensão" como parte de um acordo com Rússia e Irã.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade