Publicidade

Correio Braziliense

Bolívia declara estado de emergência por causa de chuvas e cheias

Um deslizamento ocorrido na noite de terça-feira provocou sérios danos em ao menos 20 casas e deixou duas vítimas


postado em 07/02/2018 16:43

O presidente da Bolívia, Evo Morales, inspeciona os danos causados pela enchente na cidade de Tupiza(foto: Bolivian Presidency/AFP)
O presidente da Bolívia, Evo Morales, inspeciona os danos causados pela enchente na cidade de Tupiza (foto: Bolivian Presidency/AFP)


La Paz, Bolívia -
O presidente da Bolívia, Evo Morales, declarou, nesta quarta-feira (7/2), "estado de emergência" por conta das fortes chuvas e cheias de rios que afetaram sete regiões e deixaram 14 mortos desde que começou a época de chuvas em novembro. "O gabinete decidiu declarar estado de emergência para atender as famílias atingidas pelas inundações e pelos deslizamentos de terra", anunciou Morales em uma declaração na Casa de Governo.

Essa declaração - depois de uma forte tempestade em Cochabamba (centro) - permitirá aos governos regionais "mobilizar os recursos econômicos para atender as famílias atingidas pelas inundações nos municípios que correspondam", explicou.

O deslizamento, ocorrido na noite de terça-feira, provocou sérios danos em ao menos 20 casas e deixou duas vítimas. "Confirmamos (na manhã desta quarta) a morte de duas pessoas, um menino de 12 anos e um adulto", disse o governador de Cochabamba, Iván Canelas.

Morales informou que a Corporação Andina de Fomento (CAF) ofereceu créditos "com facilidades e de maneira imediata", mas sem especificar o montante, para atender a situação de emergência no país, que afetou cerca de 50 mil pessoas, segundo a Defesa Civil.

Uma semana antes, o presidente, que percorreu várias das zonas atingidas, havia declarado alerta e ordenado às Forças Armadas e à Defesa Civil para "tomar as medidas necessárias a fim de proteger, sobretudo, a vida das pessoas". O governo também assinalou que em todo o país há cerca de 33 mil cultivos danificados, principalmente de arroz e soja.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade