Publicidade

Correio Braziliense

EUA dizem que Rússia enfrentará consequências internacionais por 'NotPetya'

Segundo Washington, este ciberataque "fazia parte do atual esforço do Kremlin para desestabilizar a Ucrânia e mostra de maneira ainda mais clara o envolvimento da Rússia no conflito em curso"


postado em 15/02/2018 20:39

(foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press)
(foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press)
 
A Casa Branca responsabilizou nesta quinta-feira (15/2) a Rússia pelo ciberataque de 2017 'NotPetya' e alertou Moscou de que enfrentará "consequências internacionais".

Executado em junho do ano passado por militares russos, o 'NotPetya' "foi o ciberataque mais destrutivo e custoso da história", destacou a Presidência americana em um comunicado. Moscou negou ter lançado o ataque.

O NotPetya "se expandiu rapidamente no mundo, provocando bilhões de dólares de perdas em Europa, Ásia e América", detalhou a Casa Branca em comunicado.

Segundo Washington, este ciberataque "fazia parte do atual esforço do Kremlin para desestabilizar a Ucrânia e mostra de maneira ainda mais clara o envolvimento da Rússia no conflito em curso".

O Reino Unido apontou nesta quinta-feira contra Moscou e, em particular, contra seus militares pelo ciberataque NotPetya, acusações "categoricamente" desmentidas pelo Kremlin.

Iniciado na Ucrânia e na Rússia e depois propagado ao mundo inteiro, o ataque informático (ransomware, exigência de pagamento de resgate para desbloquear um sistema) contaminou milhares de computadores em junho de 2017.

Perturbou principalmente empresas transnacionais e infraestruturas vitais, como controles no local do acidente nuclear de Chernobyl e os portos de Mumbai e Amsterdã.

Na Ucrânia, o país mais atingido, em guerra contra rebeldes separatistas pró-russos, as operações bancárias foram atingidas, assim como as telas de informação do principal aeroporto.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade