Publicidade

Correio Braziliense

Avião comercial cai no Irã e deixa 66 pessoas mortas

O voo da Aseman Airlines saiu da capital Teerã e iria até a cidade Yasuj


postado em 18/02/2018 08:52 / atualizado em 18/02/2018 15:52

Um avião comercial iraniano caiu, neste domingo (18/2), em uma região montanhosa do sudoeste do Irã com 66 pessoas a bordo, e acredita-se que não haja sobreviventes, embora a impossibilidade de chegar até a aeronave não permita, por enquanto, dar um balanço definitivo.

"Dadas as circunstâncias especiais da região, ainda não temos acesso ao local do acidente e, portanto, não podemos confirmar de forma precisa e definitiva a morte de todos os ocupantes deste avião", afirmou o porta-voz da companhia Aseman Airlines, Mohamad Tabatabai, à agência de notícias Isna.

Anteriormente, a companhia anunciou que viajavam na aeronave 60 passageiros, entre eles uma criança, e seis membros da tripulação.

O avião, um turbo-hélice ATR-72, da companhia Aseman Airlines, decolou do aeroporto de Teerã por volta das 8h locais (1h30, em Brasília) rumo à cidade de Yassuj, no sudoeste do país.

O aparelho caiu no monte Dena, nas montanhas de Zagros, a cerca de 500 quilômetros de Teerã e a menos de 25 quilômetros de seu destino, segundo esta fonte.

O chefe da organização da aviação civil iraniana, Reza Jafarzadeh, confirmou o acidente.

Cerca de 120 socorristas do Crescente Vermelho iraniano foram enviados à zona do acidente.

Incredulidade

Por volta de 16h30 (10h em Brasília), o lugar do impacto da aeronave não tinha sido localizado, e se desconheciam as causas exatas do acidente, ocorrido durante uma tempestade de neve.

O guia supremo iraniano, Ali Khamenei, enviou suas condolências aos familiares das pessoas que estavam a bordo do avião, segundo a televisão pública.

Em Teerã, familiares dos passageiros do voo EP3704 se reuniram em uma mesquita próxima ao aeroporto de Mehrabad.

"Não posso acreditar", lamentava uma mulher, cujo marido viajava a bordo do avião.

Yalal Pooranfar, responsável do serviço nacional de resgate na região do acidente indicou - de acordo com a agência Isna - que um helicóptero que havia sido enviado para localizar os restos da aeronave "teve que dar meia-volta devido à tempestade de neve".

"As circunstâncias do acidente permanecem desconhecidas", disse à AFP em Paris um porta-voz da ATR, filial conjunta do construtor europeu Airbus e do grupo italiano Leonardo.

Segundo a Isna, o presidente iraniano, Hassan Rohani, ordenou ao Ministério dos Transportes criar uma célula de crise para investigar as causas do acidente.

Salvo por um atraso

"Deus foi realmente bom comigo, mas meu coração chora pelas pessoas que perderam a vida", disse à agência de imprensa Tabnak um homem que perdeu o voo.

O último acidente grave de um avião civil no Irã remonta a 2014, quando 39 pessoas morreram na queda de uma aeronave Antonov 140, da companhia iraniana Sepahan, pouco depois de decolar do aeroporto de Mehrabad, no sul de Teerã.

Três anos antes, em 2011, um avião civil caiu no norte do país, deixando quase 80 mortos.

As sanções impostas ao Irã durante anos pelos Estados Unidos, pela ONU e pelos países europeus impediram que as autoridades pudessem adquirir aviões ocidentais, ou peças de reposição, para colocar em dia a frota civil do país.

A indústria do transporte aéreo estava submetida a um embargo americano desde 1995, o que tornava impossível que as companhias pudessem comprar aviões civis, ou novas peças. Parte de sua frota ficava, então, imobilizada.

Este embargo foi levantado de forma parcial após o acordo nuclear assinado em 2015 pelo Irã e pelas grandes potências, o chamado P5+1 (Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia, China e Alemanha).

O acordo prevê uma suspensão progressiva das sanções contra Teerã em troca de renunciar ao programa nuclear militar. Esta suspensão das sanções permitirá que as companhias aéreas adquiram novos aparelhos.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade