Publicidade

Correio Braziliense

Emboscada do Estado Islâmico mata 27 combatentes pró-governo no Iraque

Segundo comunicado da Unidades de Mobilização Popular, os atacantes usavam uniformes militares e integrantes das unidades "caíram como mártires"


postado em 19/02/2018 09:36 / atualizado em 19/02/2018 11:19

Bagdá, Iraque - Vinte e sete membros das Hashd al Shaabi, as Unidades de Mobilização Popular (UMP) iraquianas, morreram em uma emboscada do grupo Estado Islâmico (EI) perto de Kirkuk, no Iraque, anunciou, nesta segunda-feira (19/2), a milícia iraquiana formada para combater os jihadistas.

Segundo comunicado das UMP, no domingo, uma unidade das Hashd al Shaabi caiu em uma emboscada do grupo EI na região de Hawija. Os atacantes usavam uniformes militares e, durante os combates, 27 integrantes das UMP "caíram como mártires".

A unidade, de acordo com o documento, "realizava há vários dias operações para deter os terroristas e desmantelar células adormecidas na região de Hawija". Um general da polícia que pediu anonimato, afirmou que muitas vítimas foram decapitadas.

Uma fonte das Hashd, que pediu anonimato, contou à AFP que os extremistas estabeleceram um postos de controle perto de Hawija. Disfarçados de militares, ordenaram aos integrantes do comboio que abandonassem os veículos e permanecessem à beira da estrada para uma revista. Depois, eles metralharam as vítimas e fugiram.

Este é o incidente mais grave desde que as forças governamentais retomaram em outubro a região de Hawija, que era o último reduto do EI no norte do Iraque. Mas o grupo extremista não desapareceu por completo e algumas células iniciara uma guerrilha.

O primeiro-ministro Haider al-Abadi ordenou uma investigação sobre o incidente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade