Publicidade

Correio Braziliense

Tropas dos EUA e da Tailândia bebem sangue de cobra em jogos militares

Segundo o portal oficial da Marinha dos Estados Unidos , o Cobra Gold procura melhorar as capacidades das nações participantes de planejar e realizar operações conjuntas


postado em 19/02/2018 20:05 / atualizado em 19/02/2018 20:05

Um dos mais populares desafios dos militares é beber sangue de cobra(foto: AFPTV/AFP)
Um dos mais populares desafios dos militares é beber sangue de cobra (foto: AFPTV/AFP)

As forças armadas dos Estados Unidos e da Tailândia realizam a 37° edição dos jogos de guerra chamado 'Cobra Gold', em uma base da Marinha na província de Chonburi. O evento, que é um dos maiores exercícios militares da Ásia, começou em 13 de fevereiro e continua até sexta-feira (23/2). 

Um dos mais populares desafios dos militares é beber sangue de cobra. Depois, a tropa aprende a fazer fogo e preparar as cobras como um "churrasco". Outras lições são remover o veneno de escorpiões antes de comê-los, encontrar água e reconhecer plantas comestíveis.

"Gostei do que um tailandês enfatizou que 'você é ou a presa ou o predador'. Tudo é assustador no escuro e tudo o que você tem medo lá fora normalmente vai ser sua comida à noite", disse o sargento dos Estados Unidos, Christopher Fiffie.


Segundo o portal oficial da Marinha dos Estados Unidos , o Cobra Gold procura melhorar as capacidades das nações participantes de planejar e realizar operações conjuntas.  As atividades do evento promovem a melhora na comunicação e as formas de desenvolver uma série de atividades, incluindo o reforço da segurança marítima e a reação a catástrofes naturais em larga escala.

O Cobra Gold deste ano atraiu cerca de 6.800 tropas dos Estados Unidos, quase o dobro da edição de 2017, o que é um sinal de melhora das relações entre os países. Além da Tailândia e dos EUA, também participaram os exércitos da Indonésia, Japão, Malásia, Coreia do Sul e Cingapura.
 
* Estagiária sob supervisão de Anderson Costolli

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade