Publicidade

Correio Braziliense

Japonês recebe a guarda de 13 crianças nascidas de mães de aluguel

Mitsutoki Shigeta provocou um escândalo em 2014, quando a polícia tailandesa anunciou que mostras de DNA o vinculavam a nove bebês encontrados em um apartamento de Bangcoc,


postado em 20/02/2018 07:02

Bangcoc, Tailândia - Um japonês rico recebeu nesta terça-feira (20/2) a custódia de 13 crianças nascidas de mães de aluguel na Tailândia, no capítulo mais recente de um escândalo que revelou o lado obscuro do mercado de barrigas de aluguel no país asiático. 

"Pela felicidade e oportunidades que as 13 crianças receberão de seu pai biológico - que não tem um histórico de mau comportamento - a corte determina que sejam os filhos legais do demandante", anunciou o tribunal de menores de Bangcoc. 

Mitsutoki Shigeta provocou um escândalo em 2014, quando a polícia tailandesa anunciou que mostras de DNA o vinculavam a nove bebês encontrados em um apartamento de Bangcoc, onde moravam com as mães de aluguel. 

Os investigadores o relacionaram a outros quatro bebês nascidos de mães de aluguel. O negócio das barrigas de aluguel cresceu nos últimos anos na Tailândia aproveitando um vazio jurídico, mas, após a polêmica, o país aprovou uma lei para proibir esta prática aos estrangeiros.

Shigeta, filho de um magnata japonês, abandonou a Tailândia após o escândalo, mas iniciou um processo no ministério tailandês de Desenvolvimento Social para obter a guarda dos filhos. 

O advogado do japonês afirmou que entrará em contato com o Serviço Social tailandês, responsável pelas crianças desde a explosão do escândalo em 2014, para tomar conhecimento dos próximos passos antes de recuperar a custódia.  

Na mesma época do caso de Shigeta, que não viajou à Tailândia para responder as perguntas dos investigadores, um casal australiano provocou grande indignação entre a opinião pública ao entregar seu bebê com síndrome de Down a sua mãe de aluguel tailandesa. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade