Publicidade

Correio Braziliense

Universidade cria jogo sobre 'fake news' para combater a desinformação

Os adolescentes que participaram de um estudo com o jogo e compreenderam as técnicas, passaram a dar menos credibilidade a notícias falsas


postado em 20/02/2018 08:30

Os jogadores podem recorrer a um exército fictício das redes sociais para ajudar no combate às
Os jogadores podem recorrer a um exército fictício das redes sociais para ajudar no combate às "fake news" (foto: Reprodução/Internet)
Londres, Reino Unido - Um jogo lançado nesta terça-feira (20/2) pela Universidade de Cambridge permite divulgar teorias da conspiração, notícias falsas e propaganda para entrar na pele dos criadores da desinformação e combatê-los de modo mais eficiente.

A ferramenta foi criada por pesquisadores da prestigiosa universidade inglesa em colaboração com o grupo de jornalistas holandeses DROG. 

Disponível na página fakenewsgame.org, o jogo convida os usuários a criar um meio de comunicação fictício na internet e divulgar notícias falsas, com o objetivo de atrair uma grande audiência.


"Se você sabe como é estar na pele de uma pessoa que tenta ativamente te enganar, sua capacidade de perceber e resistir a tais técnicas aumenta", afirmou em um comunicado Sander van del Linden, diretor do Laboratório de Tomada de Decisões da Universidade de Cambridge, que trabalha com a "teoria da da inoculação".

"Nós queremos ajudar a desenvolver 'anticorpos mentais' que possam fornecer alguma imunidade contra a difusão rápida de informações falsas", completou.

Quase 100 adolescentes holandeses de uma escola do ensino médio participaram de um estudo com o jogo e aqueles que compreenderam as técnicas passaram a dar menos credibilidade às 'fake news'.

"Uma vacina biológica administra uma pequena dose da doença para construir imunidade", disse Van Der Linden.

"De modo similar, a teoria da inoculação sugere que a exposição a uma versão fraca ou desmistificada de um argumento torna mais fácil refutar quando você é confrontado com alegações mais persuasivas".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade