Publicidade

Correio Braziliense

União Europeia rejeita período de transição após Brexit sem data limite

Barnier negocia em nome dos 27 países parceiros do Reino Unido, cujos ministros dos Assuntos Europeus resumiram minutos antes o atual estágio das negociações e a proposta de acordo de retirada.


postado em 27/02/2018 13:05 / atualizado em 27/02/2018 13:12

Mas, por enquanto, 'a transição não é um fato', advertiu Barnier(foto: John Thays/AFP )
Mas, por enquanto, 'a transição não é um fato', advertiu Barnier (foto: John Thays/AFP )

 
Bruxelas, Bélgica - O negociador europeu para o Brexit, Michel Barnier, rejeitou nesta terça-feira (27/2) um período de transição indefinida com o Reino Unido após sua partida do bloco, em 29 de março de 2019, considerando que tal período deverá ser "curto e limitado no tempo".

"Propomos logicamente que termine em 31 de dezembro de 2020. O Reino Unido gostaria de manter uma duração aberta, o que, claro, não é possível", disse o negociador da Comissão Europeia em entrevista coletiva.

Barnier negocia em nome dos 27 países parceiros do Reino Unido, cujos ministros dos Assuntos Europeus resumiram minutos antes o atual estágio das negociações e a proposta de "Acordo de Retirada" que a UE planeja publicar na quarta-feira.

A proposta europeia conterá especialmente os termos de divórcio discutidos em dezembro em Bruxelas em três áreas: direitos dos cidadãos expatriados, liquidação financeira e situação futura na fronteira da ilha da Irlanda.

Um eventual acordo sobre o período de transição, que para os europeus deve terminar ao mesmo tempo que o atual orçamento plurianual da UE em dezembro de 2020, seria parte do texto final, juntamente com um documento que define o relacionamento futuro em ambos os lados do Canal da Mancha.

Mas, por enquanto, "a transição não é um fato", advertiu Barnier, ressaltando as diferenças entre Londres e Bruxelas e a lentidão das negociações em andamento, especialmente quando a UE deseja um acordo global em outubro, para que dê tempo para a aprovação dos parlamentos correspondentes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade