Publicidade

Correio Braziliense

Onda de ar frio proveniente da Sibéria congela grande parte da Europa

Os meteorologistas documentaram temperaturas acima de zero em alguns locais do Ártico, o que gerou uma grande surpresa entre muitos especialistas


postado em 28/02/2018 07:26 / atualizado em 28/02/2018 07:32

Roma, Itália - Uma onda de ar frio procedente da Sibéria congelava nesta terça-feira (27/2) grande parte da Europa, deixando cerca de 20 mortos em quatro dias e levando neve até mesmo para as praias mediterrâneas. Este clima gelado contrasta com as condições no próprio Ártico, que está sofrendo esta semana com uma incomum "onda de calor", segundo o Instituto Europeu de Geociências.

Os meteorologistas documentaram temperaturas acima de zero em alguns locais do Ártico, o que gerou uma grande surpresa entre muitos especialistas. Enquanto isso, a Europa está tremendo com temperaturas abaixo de zero. Esta onda de frio, que os tabloides britânicos apelidaram de "A Besta do Leste", já deixou uma dezena de vítimas fatais em todo o continente.

As temperaturas permaneciam glaciais na madrugada desta quarta-feira, com -24ºC em localidades da Alemanha, -29ºC na Estônia e -18ºC na República Tcheca.

Ao menos 24 pessoas morreram por causa do frio desde sexta-feira: nove na Polônia, das quais cinco faleceram durante a noite de segunda para terça-feira; quatro na França, entre elas uma idosa de 90 anos encontrada morta em frente ao portão do lar de idosos onde morava; cinco na Lituânia; três pessoas sem endereço fixo na República Tcheca; duas na Romênia, entre elas uma mulher de 83 anos encontrada morta coberta de neve na rua; e um sem-teto na Itália.

Na Estônia o frio deixou sete mortos em fevereiro. Na Lituânia as temperaturas caíram para -26ºC. No Reino Unido, as autoridades avisaram que haverá entre cinco e 10 centímetros de neve em várias partes do país, assim como a probabilidade de que sejam afetados o transporte aéreo e terrestre, e os serviços de eletricidade e telefonia.

Na segunda-feira, a British Airways cancelou mais de 60 voos que deveriam chegar ou partir do aeroporto londrino de Heathrow. 

Neve em Capri e Pompeia

Na Espanha, são previstas nevascas nesta quarta-feira para sete regiões, incluindo a Catalunha, onde o transporte escolar foi suspenso e está proibida a circulação de caminhões com mais de 7,5 toneladas. Devido à onda de frio e neve, algumas escolas ficaram fechadas na Itália, que se prepara para realizar neste domingo as eleições legislativas.

Em Nápoles, o aeroporto estava fechado nesta terça de manhã e os serviços de ônibus foram suspensos devido ao gelo. A região ao redor desta cidade não via tanta neve desde 1956. A ilha de Capri, a cidade de Pompeia e as praias da costa amalfitana foram cobertas por uma fina camada de neve.

Um motorista de Turim levou um susto quando uma estalactite caiu de uma ponte por onde passava por baixo, atingido seu para-brisa, embora tenha conseguido manter o controle do automóvel. Roma viu na segunda-feira sua primeira nevasca em seis anos. Fez -40ºC a menos de 100 quilômetros de Veneza na noite de domingo para segunda-feira, em Dolina Campoluzzo (1.750 metros de altitude).

Outro dos pontos mais frios do continente foi Glattalp, na Suíça, onde a temperatura chegou a -38ºC, algo extremo até mesmo para a altitude da localidade (1.850 metros), segundo a agência ATS. Na França, onde o clima está muito frio e seco, os meteorologistas anunciatsm neve em grande parte do país a partir desta terça-feira, embora no fim de semana as temperaturas subam bruscamente.

Nesta terça, moradores de Ajaccio, na ilha francesa de Córsega, acordaram com 15 centímetros de neve na praia, o que não era visto desde 1986. Em todo o continente, as autoridades habilitaram abrigos de emergência para as pessoas sem-teto.

O prefeito de Etterbeek, na Bélgica, ordenou que as pessoas que estiverem dormindo nas ruas nestas condições obrigatoriamente terão que ser levadas a abrigos. O prefeito se ampara no "alto risco" que o frio supõe para a vida.

Em Berlim, onde foi registrado -14ºC nesta terça-feira de manhã, a preocupação com a situação das pessoas sem-teto levou as autoridades a fornecerem mais 100 camas aos abrigos da cidade, que têm no total 1.200 camas. Mais de 90% delas estão ocupadas, segundo a rádio pública.

Na noite anterior registraram -30,5ºC no cume de Zugspitze (2.962 metros), a montanha mais alta do país), um recorde em 100 anos nesta época do ano. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade