Publicidade

Correio Braziliense

Iraque ordena apreensão de bens de Saddam Hussein

Além do ex-ditador, outros 4 mil funcionários de alto escalão do regime e familiares de Hussein também tiveram bens apreendidos


postado em 05/03/2018 08:26 / atualizado em 05/03/2018 09:47

(foto: Reprodução/Internet)
(foto: Reprodução/Internet)
Bgdá, Iraque - O Iraque ordenou a apreensão dos bens do falecido ditador Saddam Hussein e de 4.257 ex-funcionários de alto escalão do regime derrubado durante a invasão liderada pelos Estados Unidos em 2003 - informa um comunicado oficial divulgado nesta segunda-feira (5/3).

A lista de autoridades foi estabelecida pela instância encarregada no Iraque de perseguir os antigos membros do      partido Baath de Saddam Hussein. Também estão incluídos pais, mulheres, filhos e netos.

Depois da queda de Saddam, as Forças Armadas e as novas autoridades confiscaram várias propriedades da família de Saddam Hussein e de outros dirigentes.

O decreto busca oficializar a apreensão desses bens.

Estão listados 52 autoridades de alto escalão, assim como o conjunto de governadores ao longo dos cerca de 25 anos do regime Hussein, dirigentes do Baath e generais das forças de segurança.

Entre estes últimos está Ahmad Saddag, ex-general de brigada, que depois da queda de Hussein dirigiu a Polícia na província de Al-Abar até 2015, quando morreu combatendo o grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Já entre os dignatários aparecem Ali Hassan al-Majid, primo de Saddam, conhecido como "Ali, o químico", executado em 2010, e o meio-irmão de Hussein, Barzan Ibrahim al-Hassan, também enforcado.

Figura ainda Tarek Aziz, ex-ministro das Relações Exteriores, único membro cristão do governo de Hussein, que ficou preso de 2003 até seu falecimento em 2015.

O filho de Tarek Aziz, Zyad Tarek Aziz, disse à AFP que se trata de uma decisão que "busca apenas obter votos nas próximas eleições legislativas", previstas para 12 de maio.

"Há 15 anos somos vítimas de pressões, marginalização e injustiça. Chega!", declarou por telefone, da Jordânia, onde vive.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade