Publicidade

Correio Braziliense

Kim Jong-un recebe delegação sul-coreana, que deve propor desnuclearização

A delegação sul-coreana tem a missão de analisar medidas para favorecer o diálogo entre Coreia do Norte e Estados Unidos


postado em 05/03/2018 08:54 / atualizado em 05/03/2018 16:31

(foto: Handout / The Blue House / AFP)
(foto: Handout / The Blue House / AFP)
Seul, Coreia do Sul – Os enviados especiais do presidente sul-coreano Moon Jae-in para à Coreia do Norte reuniram-se nesta segunda-feira (6/3) com o líder Kim Jong-un, alimentando as especulações sobre um possível diálogo com os Estados Unidos. É a primeira vez que o líder do regime comunista se encontrou com uma delegação de um país com o qual não tem laços diplomáticos. Em outras ocasioes, o ditador se encontrou com delegados da China, Cuba e Síria, nacoes aliadas.

O porta-voz do governo sul-coreano, Kim Eui-kyeom, informou que a delegação do seu país foi recebida por Kim Jong-un em um jantar que começou às 18h (horário da Coreia do Sul). 

Levando uma carta (com teor ainda sob sigilo) do presidente Moon Jae-in, uma delegação de 10 membros partiu para a Coreia do Norte na tarde desta segunda-feira em uma missão para persuadir o regime de Kim Jong-un a discutir a desnuclearização. Chung disse que a visita é em resposta à visita do enviado especial norte-coreano ao sul no mês passado. O líder norte-coreano incluiu sua irmã Kim Yo-jong como na delegação de alto nível que participou da cerimônia de abertura das Olimpíadas de Inverno, em PyeongChang. Durante sua visita, a jovem irmã transmitiu ao presidente Moon um convite de  Kim Jong-un para uma visita a Pyongyang.

Antes da partida, em Seul, o  chefe do Departamento de Segurança Nacional, Chung Eui-yong disse que pretende transmitir a vontade de Moon Jae-in de procurar maneiras de discutir a desnuclearização. "Vou entregar claramente a intenção do presidente Moon de manter o fluxo do diálogo inter-coreano e melhorar as relações para obter a paz permanente e a desnuclearização da Península da Coreia", disse Chung, que lidera a delegação como o principal enviado especial.

Na delegação estão cinco enviados especiais, incluindo Chung e Suh Hoon, diretor do Serviço Nacional de Inteligência (NIS), Chun Hae-sung, vice-ministro da unificação, Kim Sang-gyun, segundo vice-diretor do NIS e Yun Kun-young, um agente do governo do Sul encarregado de monitorar os assuntos do Estado e cinco outros funcionarios. Nenhum jornalista acompanha a viagem.

A delegação sul-coreana chegou ao aeroporto de Pyongyang às 14h50 e foi recebida pelo presidente do Comitê para a Reunificação Pacífica da Coreia do Norte, Ri Son-gwon. Ainda no aeroporto, a delegação do Sul reuniu-se com o vice-presidente do Comitê Central do Partido dos Trabalhadores, Kim Yong-chol,  para organizar o itinerário no Norte, incluindo o jantar com Kim Jong-un. 

Depois de uma conversa de 10 minutos em uma sala reservada no aeroporto, a delegação foi levada para a Casa de Hóspedes Gobangsan, localizada em um condominio fechado e fortemente vigiada por agentes especiais do regime norte-coreano onde passa a noite. 

Segredo de Estado


Esta é a sétima vez que o governo sul-coreano envia uma delegação para o Norte, desde a Guerra da Coreia de 1950-53, e a primeira vez que Seul divulgou informações do encontro. Em breve, os enviados visitarão os EUA para detalhar os resultados do encontro em Pyongyang. Seul ainda busca meios para cooperar com a China e o Japão em assuntos relacionados a Coreia do Norte.

A primeira das seis delegacoes enviadas anteriores, toda em segredo, foi em 1972, sob a administração do Park Chung-hee. Nenhuma conseguiu um encontro os presidentes das duas Coreias em do lider do Norte com um presidente dos EUA. Tampouco frear o programa nuclear do Norte.
 
O reporte do Correio viajou a convite da Associacao Coreana de Jornalistas

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade