Publicidade

Correio Braziliense

Ajuda humanitária chega a Guta Oriental nesta segunda-feira (5/3)

O território rebelde vem sendo alvo de ataques constantes do regime sírio desde 18 de fevereiro, o que já causou a morte de mais de 700 civis


postado em 05/03/2018 09:10 / atualizado em 05/03/2018 09:39

O comboio é formado por 46 caminhões e carrega, além de alimentos, ajuda médica à 27 mil pessoas(foto: Louai Beshara / AFP)
O comboio é formado por 46 caminhões e carrega, além de alimentos, ajuda médica à 27 mil pessoas (foto: Louai Beshara / AFP)
Beirute, Líbano - Um primeiro comboio de ajuda humanitária entrou em Guta Oriental nesta segunda-feira (5/2), onde o Exército sírio mantém cerca de 400 mil habitantes sitiados, anunciou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR).

O comboio é formado por 46 caminhões e transporta ajuda médica e alimentos para cerca de 27.500 pessoas, indicou o Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU (Ocha, na sigla em inglês).

Este é o primeiro comboio humanitário a entrar na região desde o início da campanha de bombardeios aéreos e de artilharia que deixaram mais de 700 civis mortos, segundo uma ONG.

O presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR), Peter Maurer, celebrou. "Com tanto sofrimento, é uma corrida contra o relógio para chegar à população de Guta Oriental", tuiteou Maurer.

"Ao fim... Um comboio do Crescente Vermelho sírio, do CICR e da ONU, que transporta a ajuda desesperadamente necessária para dezenas de milhares de pessoas se dirige para Ghuta Oriental na Síria", tuitou mais cedo o chefe de operações do CICR no Oriente Médio, Robert Mardini.

O conjunto de caminhões passou pelo setor de Al-Wafidin, ponto de controle instalado pelos russos e pelos sírios como corredor humanitário para Guta Oriental, informou também pelo Twitter o porta-voz do CICR, Pawel Krzysiek.

Este corredor faz parte de uma "pausa humanitária" de cinco horas diárias anunciada pela Rússia e que entrou em vigor na terça passada, para permitir o envio de ajuda e a saída de civis desse enclave.

Um segundo comboio deve ser enviado na quinta-feira (8/3), segundo a ONU.

Novos bombardeios

Pelo menos 14 civis morreram em novos bombardeios aéreos do governo de Bashar al-Assad contra o território rebelde de Guta Oriental, onde o presidente sírio se declarou determinado a continuar sua ofensiva contra os insurgentes, informou o OSDH nesta segunda.

Os bombardeios alcançaram, na noite de domingo (4/3) e na madrugada desta segunda, várias localidades de Guta Oriental, matando dez pessoas apenas em Hamuriye. Lá, foram lançados barris de explosivos, relatou o OSDH.

Com essas novas vítimas, sobe para 709 o número de civis mortos desde 18 de fevereiro, data em que o governo sírio iniciou uma campanha aérea de uma intensidade incomum contra o território rebelde, segundo o diretor do OSDH.

"Houve, nesta segunda de manhã, bombardeios aéreos e disparos de foguetes contra vários setores de Ghuta", último bastião dos insurgentes às portas de Damasco, informou Abdel Rahman.
 
As forças do governo sírio controlam um terço do território rebelde de Guta Oriental, anunciou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

"Tomaram novas terras agrícolas e continuam seu avanço pelo leste", indicou o OSDH, acrescentando que as forças do governo estão agora a dois quilômetros de Duma, principal cidade de Guta.

"As forças do regime controlam agora 33%" desse território de cerca de 100 quilômetros quadrados, disse à AFP o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

"Avançam rapidamente, porque as operações acontecem, principalmente, nas zonas agrícolas" do enclave, acrescentou ele.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade