Publicidade

Correio Braziliense

Coreia do Norte promete suspender testes nucleares em troca de segurança

As duas Coreias, do Norte e do Sul, anunciaram reunião de cúpula em abril. O acordo nuclear proposto por Pyongyang valeria durante o diálogo entre os países


postado em 06/03/2018 09:12 / atualizado em 06/03/2018 11:15

Antes do acordo desta terça-feira, líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, recebeu ontem a delegação sul-coreana em encontro histórico(foto: STR / KCNA VIA KNS / AFP)
Antes do acordo desta terça-feira, líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, recebeu ontem a delegação sul-coreana em encontro histórico (foto: STR / KCNA VIA KNS / AFP)
Coreia do Norte e Coreia do Sul concordaram em organizar uma reunião de cúpula no final de abril na fronteira fortemente militarizada e Pyongyang afirmou que consideraria a possibilidade de renunciar às armas nucleares em troca de garantias de segurança, anunciou um emissário sul-coreano.

Os dois países também concordaram com a abertura de uma linha de comunicação direta de emergência entre seus dois dirigentes, informou Chung Eui-yong, assessor para Segurança do presidente sul-coreano Moon Jae-in, após uma reunião com o líder norte-coreano Kim Jong Un em Pyongyang.

A reunião acontecerá no fim de abril localidade de Panmunjom, em plena Zona Desmilitarizada (DMZ) que separa a Coreia do Norte da Coreia do Sul e será precedida por uma conversa telefônica entre Kim Jong Un e Moon Jae-in, explicou o assessor.

No período de duração do diálogo intercoreano, o regime de Pyongyang prometeu suspender os testes nucleares e de mísseis, afirmou Chung Eui-yong. O diretor de segurança nacional da presidência sul-coreana afirmou ainda que a Coreia do Norte também deixou claro que não tem a necessidade de manter suas ameaças nucleares, caso as ameaças militares contra o país sejam resolvidas e ele receba uma garantia de segurança digna de crédito. 

A Coreia do Sul afirmou ainda que o vizinho está disposto a manter "conversas honestas" com os Estados Unidos sobre armas nucleares e a normalização das relações. O país tem ainda a "clara intenção de se desnuclearizar", de acordo com o governo sul-coreano.

As declarações foram dadas horas após a delegação sul-coreana liderada por Chung retornar de uma visita à Coreia do Norte, onde ela se reuniu com o líder norte-coreano, Kim Jong Un.

Histórico

Esta será a terceira reunião de cúpula entre os dirigentes dos dois países desde o fim da guerra da Coreia (1950-1953). As anteriores aconteceram em 2000 e en 2007.

"O Sul e o Norte estão de acordo sobre uma linha de comunicação de emergência entre os dirigentes para desativar as tensões militares e para uma coordenação estreita", afirmou o representante sul-coreano.

Chung e os diplomatas sul-coreanos que o acompanharam a Pyongyang sãos principais representantes do governo da Coreia do Sul a viajar ao Norte em mais de 10 anos, aproveitando a histórica aproximação registrada por ocasião dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang. As conversas com Kim Jong Un duraram mais de quatro horas.

Os emissários sul-coreanos devem viajar na quarta-feira a Washington para informar sobre a missão. O governo dos Estados Unidos acaba de impor novas sanções unilaterais contra a Coreia do Norte, as mais duras até o momento, segundo o presidente Donald Trump.

Com informações das Agências Estado e France-Presse

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade