Publicidade

Correio Braziliense

Assessor econômico de Trump pede demissão

Gary Cohn renunciou ao cargo no Conselho Econômico Nacional após protestar contra a decisão do presidente de impor tarifas aduaneiras sobre aço e alumínio


postado em 07/03/2018 08:32

Washington, Estados Unidos - O principal assessor econômico de Donald Trump, Gary Cohn, renunciou nessa terça-feira (6/3), após ter protestado contra a decisão do presidente americano de impor tarifas aduaneiras sobre o aço e o alumínio.

"Foi uma honra servir ao meu país e promulgar políticas econômicas pró-crescimento em benefício do povo americano", disse Cohn em um comunicado lacônico.

Cohn, que dirigia o influente Conselho Econômico Nacional (NEC), se une a uma longa lista de colaboradores de Trump que abandonaram a Casa Branca nos últimos meses.

"Gary foi meu assessor econômico e fez um trabalho extraordinário para estabelecer nosso programa, ajudando a conquistar uma reforma fiscal histórica e a liberar novamente a economia americana", declarou Trump, sem mencionar suas divergências sobre o protecionismo.

"É um talento raro e quero lhe agradecer por seu dedicado serviço ao povo americano".

O presidente americano anunciou na semana passada sua intenção de taxar as importações de aço e alumínio em 25% e 10%, respectivamente, o que provocou reações em todo o planeta.

"Durante várias semanas, Gary discutiu com o presidente sobre a aproximação do momento de sua demissão", revelou um funcionário da Casa Branca. 

A renúncia do ex-executivo da Goldman Sachs gera preocupação nos corredores de Wall Street e deve agitar a sessão na Bolsa americana.

O judeu Cohn, 57 anos, já havia manifestado suas divergências com Trump. Em agosto de 2017, criticou o presidente por sua posição ambígua diante da violência neonazista em Charlottesville (Virgínia).

Na ocasião, aliados do governo trataram de manter Cohn no barco aventando a perspectiva de que pudesse ocupar um cargo no gabinete.

Cohn contribuiu no final do ano passado para que a reforma fiscal promovida por Trump fosse aprovada pelo Congresso. 

Durante muito tempo, Cohn foi visto pelos democratas como uma influência moderadora ao nacionalismo econômico de Trump e de outros assessores do presidente, como Peter Navarro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade