Publicidade

Correio Braziliense

"Teste de sobrevivência" comove internautas e viraliza

O que parecia inicialmente uma brincadeira tomou rumos sérios ao abordar a realidade da vida na zona de guerra


postado em 08/03/2018 21:15 / atualizado em 08/03/2018 21:19

Imagine um dia normal: você escolhe o trajeto para o trabalho — ônibus ou metrô —, talvez até pare para comer algo no caminho. Então, barulhos estrondosos, pessoas correndo desesperadas, sirenes. Você não sabe o que está acontecendo. Busca informações. De repente, uma explosão. Você está no meio dos escombros. 

Se esse cenário parece muito diferente da sua vida, considere-se com sorte. No entanto, para muitos, é a realidade. É o que tenta mostrar um "teste de sobrevivência", compartilhado nas redes sociais nos últimos dias. O participante deve escolher entre duas opções nesse cenário, com o objetivo de sobreviver às situações cada vez mais preocupantes que são apresentadas.

(foto: Reprodução/Internet)
(foto: Reprodução/Internet)
 
 
Alerta: não há como sobreviver. Todas as respostas levam ao mesmo resultado: "Você morreu em um atentado". O teste, então, explica que, embora fictício, representa o cotidiano de muitas pessoas que vivem em zonas de conflito armado: "Estima-se que mais de 470 mil pessoas tiveram suas vidas interrompidas por conta da guerra civil na Síria."
  
O resultado faz ainda um apelo por ajuda e lista organizações presentes nos locais de conflito e que precisam de apoio. No entanto, a autoria do teste é anônima, e internautas especulam se faz parte da divulgação de uma dessas instituições ou se foi feito por um indivíduo que se preocupa com o tema.

O sucesso foi tão grande que a plataforma chegou a ficar fora do ar devido ao número de acessos. Clique aqui para fazer o teste.  

O conflito na Síria começou em 2011 com a repressão de manifestações pró-democracia. O regime sírio é apoiado pela Rússia. Na região de Guta Oriental, bombardeada pelo governo nas últimas semanas, mais de 900 civis morreram desde 18 de fevereiro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade