Publicidade

Correio Braziliense

Hong Kong vai às urnas em eleição crucial para democratas

Pleito ocorre mesmo com protestos da China, que não aceita perder a supremacia sobre o território


postado em 10/03/2018 22:08

Hong Kog, China - O campo pró-democracia de Hong Kong tentará recuperar neste domingo (11/3) os assentos perdidos, em uma polêmica eleição suplementar na cidade dividida politicamente. 


A votação, que começou na manhã deste domingo (horário local), chega em um momento em que a China sinaliza uma linha mais dura contra qualquer desafio à sua soberania, com a jovem Agnes Chow impedida de se candidatar porque seu partido promove a autodeterminação para a cidade semi-autônoma. 

Pequim ficou cada vez mais enfurecido com o surgimento de ativistas que defendem a independência, e vê os pedidos de autodeterminação como parte de um empenho de divisão. 

A eleição suplementar foi desencadeada depois que Pequim forçou a desqualificação de seis legisladores rebeldes que tinham arrasado nas eleições em toda a cidade em 2016. 

Alguns eram ex-líderes de protesto, outros defendiam abertamente a independência. Todos foram expulsos de seus postos por inserir protestos em seus juramentos de posse. 

Quatro dos seis lugares vagos serão disputados no domingo. 

"A eleição não é apenas sobre me escolher como candidato, também é sobre votar pela justiça", disse Au Nok-hin, que interveio para disputar o assento da ilha de Hong Kong depois que Agnes Chow foi impedida. 

O assento era originalmente ocupado por Nathan Law, um dos líderes das manifestações em massa do Movimento Umbrella de pró-democracia de 2014, que estava entre os seis expulsos do cargo. 

"A eleição suplementar é uma chance para a maioria silenciosa, que está cansada de um Hong Kong politizado, que detesta aqueles que humilham o país, para dizer a esses políticos que Hong Kong não tem espaço para eles", disse à AFP a política pró-establishment Judy Chan.

Os seis legisladores foram expulsos dos cargos retrospectivamente pelo tribunal superior de Hong Kong depois que Pequim emitiu uma "interpretação" especial da mini-constituição da cidade, estipulando que os legisladores tinham que prestar seu juramento "solenemente e sinceramente" ou enfrentar o banimento. 

Os legisladores pró-independência tinham inserido impropérios e balançado cartazes que diziam "Hong Kong não é a China" durante a posse. Outros acrescentaram frases apoiando o movimento democrático. 

O campo pró-democracia surgiu contra a crescente pressão desde o fracasso do Movimento Umbrella em ganhar uma reforma política, com alguns ativistas líderes presos por acusações relativas a protestos. 

O analista político Dixon Sing diz que perder qualquer um dos quatro assentos nas eleições suplementares seria um golpe adicional. "Isso só aumentaria o desapontamento e a perda de fé", disse à AFP. 

Mas Sing acrescentou que mesmo uma vitória geral seria contrabalançada por um sistema que beneficia Pequim. 

Apenas metade da legislatura é eleita, sendo o resto selecionado por grupos de interesse tradicionalmente pró-establishment. 

De 70 assentos, o campo da democracia atualmente ocupa 24, estando próximo ao mínimo necessário de um terço para vetar leis importantes. 

Ele também foi limitado por novas regras contra a obstrução, uma tática por muito tempo favorita. 

No entanto, veteranos democratas estão exortando os residentes a votar. 

"Não é apenas uma eleição suplementar", disse a legisladora pró-democracia Claudia Mo. "É uma luta entre o bem e o mal".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade