Publicidade

Correio Braziliense

Russia diz que arma química contra ex-espião teria feito mais vítimas

O governo russo assegura que o atentado foi um ataque terrorista e afirmou que "qualquer substância tóxica militar teria causado inúmeras vítimas no local do envenenamento"


postado em 21/03/2018 10:40 / atualizado em 21/03/2018 11:04

Moscou, Rússia - O uso de um agente neurológico militar para envenenar o ex-espião russo Serguei Skripal em Salisbury, a versão defendida pelo Reino Unido, teria causado várias vítimas, afirmou o governo russo nesta quarta-feira.

"Qualquer substância tóxica militar teria causado inúmeras vítimas no local do envenenamento. Mas em Salisbury não foi o caso", declarou um funcionário diplomático russo de alto escalão, Vladimir Ermakov, durante uma reunião com diplomatas estrangeiros organizada por Moscou para expressar sua posição.

Além disso, a Rússia assegurou que o atentado contra o Skripal no Reino Unido pode ter sido um "atentado terrorista" que Londres não soube evitar ou uma "encenação" das autoridade britânicas.
"Ou as autoridades britânicas não capazes de proporcionar proteção para este tipo, digamos assim, de ataque terrorista, ou encenaram direta ou indiretamente , e não acuso ninguém, um ataque contra um cidadão russo", disse Ermakov.

Ele também criticou o Reino Unido por negar-se a cooperar na investigação. 

Indagado por uma diplomata britânica sobre eventuais programas de armas químicas russas, Yermakov, que é do departamento de controle de armas da chancelaria, respondeu: "Abandonem um pouco sua russofobia, sua mentalidade insular. Tenho vergonha e vocês", concluiu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade