Publicidade

Correio Braziliense

ONU investiga bombardeio contra escola corânica no Afeganistão

No momento do ataque, acontecia na escola uma cerimônia de entrega de diplomas na presença de líderes talibãs e muitos estudantes


postado em 03/04/2018 09:26

Kunduz, Afeganistão - A ONU está examinando a "informação preocupante sobre danos graves a civis" provocados pelo bombardeio de uma escola corânica no Afeganistão, que segundo as forças de segurança do país pode ter vitimado dezenas de crianças.

"Nossa equipe de direitos humanos no local está verificando os fatos. Recordamos a todas as partes a obrigação de proteger os civis do impacto de um conflito armado", afirmou a missão da Organização das Nações Unidas no Afeganistão em um comunicado.

Um bombardeio da aviação afegã contra uma escola corânica, acusada de acolher uma reunião dos talibãs perto de Kunduz, nordeste do Afeganistão, deixou várias vítimas, incluindo civis, informaram fontes do serviços de segurança.

No momento do ataque, acontecia na escola uma cerimônia de entrega de diplomas na presença de líderes talibãs e muitos estudantes.

De acordo com o médico Naim Mangal, responsável pelo hospital regional, "vários mortos e ao menos 15 civis feridos, incluindo crianças", foram levados ao seu centro médico, localizado a 50 km do distrito de Dashte Archi, onde aconteceu o ataque.

Fontes da segurança e testemunhas informaram a presença de muitos civis, reunidos para a cerimônia de conclusão dos estudos, chamada de 'entrega de turbantes'. 

Segundo um porta-voz da Defesa, Mohammad Radmanish, ao menos 20 talibãs, entre eles comandantes da Unidade Vermelha, uma unidade de elite, morreram no ataque.

"Membros da Shura (conselho dos talibãs) de Quetta (no Paquistão) estavam presentes", disse o porta-voz, para quem esta escola servia "praticamente como um centro de treinamento" para os insurgentes.

Uma fonte da segurança disse à AFP que essa é uma nova tática do Talibã, de "se esconder em madrassas (escolas religiosas) para escapar dos ataques aéreos".

O Talibã afirmou em um comunicado que pelo menos 150 religiosos e estudantes morreram ou ficaram feridos no ataque.

Segundo o chefe da polícia de Kunduz, o general Abdul Hamid Hamidi, 72 pessoas, todas inimigas, morreram.

No entanto, fontes dos serviços de segurança asseguraram que foram 59 mortes, a maioria de crianças, além de 57 feridos, que foram levados para um hospital da cidade.

A região de Kunduz (nordeste) é de difícil acesso. A maioria dos serviços de comunicação é interrompida após as 16h00 e até a manhã seguinte.

Segundo a população, o Talibã interrompe o serviço para impedir que os habitantes forneçam informações às forças do governo.

O distrito de Dashte Arshi, localizado no nordeste da província de Kunduz, tem uma forte presença talibã.

De acordo com várias fontes das forças de segurança, o ataque foi realizado por bombardeiros do exército afegão, aviões A-29 de fabricação brasileira que o exército afegão, em reconstrução, começou a receber no final de 2016.

A missão da ONU (Manua), que contabiliza as vítimas civis do conflito, registrou mais de 630 civis afegãos mortos e feridos em bombardeios aéreos em 2017.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade