Publicidade

Correio Braziliense

Na fronteira entre Gaza e Israel, jovens palestinos 'resistem' com parkour

Com piruetas que demandam um equilíbrio perfeito, os jovens se manifestam na fronteira que é palco de sangrentos confrontos


postado em 11/04/2018 09:40

(foto: Said Khatib / AFP)
(foto: Said Khatib / AFP)
Rafah, Territórios palestinos -
Jovens palestinos adeptos do parkour decidiram, de forma excepcional, fazer suas acrobacias na fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel, palco de importantes manifestações e de sangrentos confrontos desde o fim de março.

Com piruetas que demandam um equilíbrio perfeito, os jovens se manifestaram no acampamento erguido para acolher as manifestações da "marcha do retorno".

Esse protesto, que termina em 15 de maio - dia da comemoração da "Nakba" ("catástrofe", em árabe), que significou para os palestinos a proclamação do Estado de Israel em 1948 -, exige o retorno dos palestinos que foram expulsos, ou que fugiram de suas terras, após a criação do Estado hebreu.

Os protestos terminaram em duros enfrentamentos que levaram, desde 30 de março, à morte de 31 palestinos, segundo o Ministério da Saúde de Gaza. Não há vítimas do lado israelense.

Israel foi criticado por várias organizações de direitos humanos pelo uso de balas reais contra manifestantes que não representam uma ameaça imediata para seus soldados.

Na terça à noite, instalados em suas torres de observação, os soldados israelenses acompanhavam a evolução dos acrobatas, a apenas algumas centenas de metros do muro fronteiriço de Rafah, no sul de Gaza.

"A única coisa que temos para resistir é o parkour", afirma um de seus praticantes, Mohamed Abu Yihad.

O fim da "marcha do retorno", em meados de maio, coincidirá com a data prevista para a transferência da embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém.

Essa decisão do presidente americano, Donald Trump, gerou protestos no mundo árabe e indignou os palestinos, que querem converter Jerusalém Oriental, a parte palestina da cidade ocupada e anexada por Israel, na capital do Estado a que aspiram.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade