Publicidade

Correio Braziliense

Estudante brasileiro é morto a facadas em universidade de Nova York

João Souza, de 19 anos, cursava o primeiro ano de engenharia civil na instituição de ensino. Câmeras de segurança flagraram o suspeito deixando o dormitório de Souza e fugindo do campus


postado em 17/04/2018 10:15 / atualizado em 17/04/2018 10:27

Câmeras de segurança flagraram suspeito deixando dormitório após o crime e fugindo do campus(foto: Binghamton University/Reprodução )
Câmeras de segurança flagraram suspeito deixando dormitório após o crime e fugindo do campus (foto: Binghamton University/Reprodução )
 
 
Um estudante brasileiro foi morto a facadas, na noite do último domingo (15/4), na Universidade de Binghamton, em Nova York, nos Estados Unidos. João Souza, de 19 anos, cursava o primeiro ano de engenharia civil na instituição de ensino.

Segundo a universidade, o crime ocorreu por volta das 22h30 (21h30 no horário de Brasília). Câmeras de segurança flagraram o suspeito deixando o dormitório de Souza e fugindo do campus. Ainda segundo a instituição, a polícia acredita que o crime tenha sido premeditado e que Souza era o alvo do suspeito.

No início da madrugada, um aluno identificado como Michael M. Roque, de 20 anos, foi detido como principal suspeito do crime. Ele foi encaminhado para a prisão do condado de Broome. O jovem nega participação no crime.

O estudante Wen Zhong Xun, que se identifica como companheiro de quarto do brasileiro, disse ter presenciado o crime e usou as redes sociais para se manifestar.

"Eu conhecia João como um ser humano muito gentil e atencioso. Ele não merecia isso. Sinto muito por ele e sua família. Eu gostaria de ter feito mais para ajudar", disse. Segundo Xun, o brasileiro gritou pedindo ajuda e entrou em seu quarto para fugir do agressor, que o perseguiu. 

"Minha namorada e eu testemunhamos meu companheiro de quarto sendo impiedosamente e brutalmente esfaqueado e assassinado em nosso dormitório por um atacante mascarado. Nós o ouvimos gritando e gritando por ajuda de fora do nosso quarto. Quando abrimos a porta, meu companheiro, já esfaqueado, veio correndo. De trás dele, vi o atacante mascarado perseguindo-o. Tentei fechar a porta, mas o agressor me dominou e entrou em nosso quarto", relata o aluno.

"Nós três ficamos presos com um assassino psicótico. Ele estava armado com uma faca e meu companheiro tinha sangue nas feridas. Não conseguia acreditar que isso estava realmente acontecendo e achei que era algum tipo de brincadeira. Nunca estive tão assustado ou chocado na vida. Entrei em pânico e peguei uma cadeira para tentar me defender. O agressor exigiu que eu e minha namorada ficássemos no quarto. Felizmente nós corremos e escapamos do dormitório e o atacante não nos perseguiu", conta Xun. 

Comunicado

Eu estou profundamente triste de informar o esfaqueamento que levou à morte de um de nossos estudantes, João Souza, de 19 anos, que cursava o primeiro ano de engenharia civil", escreveu aos alunos o presidente da Universidade de Binghamton, Harvey Stenger. "Todo o campus lamenta por ele. Nossos pêsames aos amigos e familiares, além dos colegas de classe e professores."

As aulas dessa segunda-feir (16/4) foram canceladas, informou a Binghamton. A família de Souza, que reside no Brasil, foi informada do caso, mas decidiu não se pronunciar.

De acordo com o jornal "The New York Times", João Souza se formou no ano passado em um colégio de Rye Brooks, também no Estado de Nova York. Após o ataque, o brasileiro foi levado ainda com vida para um hospital na região, mas não sobreviveu aos ferimentos. 

Trata-se do segundo caso de homicídio de alunos da Universidade de Binghamton neste ano. Em março, a estudante de enfermagem Haley Anderson, 22, foi encontrada morta em sua residência.

Acusado alega inocência

O estudante Michael Roque se declarou inocente.  O defensor público de Roque protocolou a apelação em seu nome nesta terça-feira (17/4). Ele é acusado de assassinato em segundo grau.

O chefe da polícia da universidade, Timothy Faughnan, disse os investigadores do caso acreditam que Souza era de fato o alvo de Roque, mas não forneceu detalhes do caso. O presidente da instituição, Harvey Stenger, emitiu um comunicado afirmando que a polícia está trabalhando com a comunidade para manter o campus seguro. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade