Publicidade

Correio Braziliense

Líderes das duas Coreias apertam as mãos pela 1ª vez em encontro histórico

"Estou feliz em conhecê-lo", disse Moon Jae-in ao seu colega Kim Jong Un


postado em 26/04/2018 21:53 / atualizado em 26/04/2018 22:19

Populares assistem ao histórico encontro entre os líderes(foto: AFP PHOTO / Jung Yeon-je )
Populares assistem ao histórico encontro entre os líderes (foto: AFP PHOTO / Jung Yeon-je )


Os líderes da Coreia do Norte e do Sul trocaram um caloroso aperto de mão diante da linha de demarcação que divide os dois países, antes de uma cúpula histórica. "Estou feliz em conhecê-lo", disse Moon Jae-in ao seu colega Kim Jong Un, no momento em que ele se tornou o primeiro líder do Norte a entrar no Sul desde a Guerra da Coreia.

Moon também entrou rapidamente no norte antes de caminhar de volta. Kim é o primeiro líder norte-coreano a entrar no sul desde a Guerra da Coreia, há 65 anos.

Trata-se da terceira reunião intercoreana, após os encontros celebrados em Pyongyang em 2000 e 2007, e marca um ponto de inflexão após a aproximação diplomática que se seguiu a um período de alta tensão na península.

Segundo a agência oficial norte-coreana KCNA, Kim viajou à Zona Desmilitarizada para "discutir honestamente com Moon Jae-in todas as questões que surjam para melhorar as relações intercoreanas e se obter a paz, a prosperidade e a reunificação da península da Coreia".

O tema do arsenal nuclear de Pyongyang está no centro da agenda, após a Coreia do Norte obter um rápido progresso em sua tecnologia atômica sob o mandato de Kim, que herdou o poder com a morte do  pai, em 2011. 

Ativistas seguram placa mostrando imagens líderes das duas Coreias:
Ativistas seguram placa mostrando imagens líderes das duas Coreias: "Paz, novo começo" (foto: Ed JONES / AFP)

Especial

O Correio visitou a Coreia do Norte, comandada por uma dinastia comunista totalitária que, hoje, com sua bomba atômica, provoca apreensão em todo o planeta. A reportagem esteve estava no país mais fechado do mundo em 3 de setembro, data do sexto e, até então, mais potente teste nuclear feito pelo regime de Kim Jong-un. Clique para ler o especial.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade