Publicidade

Correio Braziliense

Trump diz que vai interromper as manobras militares com a Coreia do Sul

"Enquanto negociamos um acordo global, muito completo, acredito que não é apropriado realizar manobras militares", disse o presidente americano


postado em 12/06/2018 08:32

(foto: Saul Loeb/AFP)
(foto: Saul Loeb/AFP)
O presidente americano, Donald Trump, declarou nesta terça-feira que vai encerrar as manobras militares conjuntas com a Coreia do Sul, após a reunião com o líder norte-coreano Kim Jong Un.

"Enquanto negociamos um acordo global, muito completo, acredito que não é apropriado realizar manobras militares", disse o presidente americano em uma entrevista coletiva em Singapura, antes de destacar que isto permitirá "economizar muito dinheiro".

Também insistiu em seu desejo de retirar, no tempo apropriado, os soldados mobilizados na Coreia do Sul, ao mesmo tempo que ressaltou que isto não faz parte das negociações com Pyongyang.

Trump afirmou que o dirigente norte-coreano se comprometeu, na assinatura de um documento conjunto, a destruir "em breve" uma instalação de testes de mísseis "importante". 

Quando a imprensa ressaltou que o compromisso da Coreia do Norte a favor de uma "desnuclearização completa da península coreana" não inclui a exigência americana de um processo "verificável e irreversível", Trump afirmou, sem entrar em detalhes, que acontecerão inspeções e que as sanções serão mantidas até o fim da "ameaça" das armas atômicas.

As negociações sobre a aplicação do documento começarão na próxima semana.

As negociações foram "francas, diretas e produtivas", disse Trump. 

O presidente americano elogiou Kim Jong Un, que chamou de "muito talentoso, ótimo negociador". Trump afirmou que Kim "deu o primeiro passo corajoso para um futuro melhor para seu povo".

"Estamos dispostos a escrever um novo capítulo entre nossas nações", afirmou Donald Trump, que espera que isto acabe com a guerra da Coreia, que chegou ao fim em 1953 com um armistício e não com um tratado de paz.

O presidente dos Estados Unidos afirmou que que está disposto a viajar "no momento correto" a Pyongyang e a convidar Kim Jong-un à Casa Branca.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade