Publicidade

Correio Braziliense

Senadores dos EUA pedem fim da separação de famílias imigrantes

Trump já cancelou um programa desenhado e aplicado pelo ex-presidente Barack Obama para legalizar imigrantes que chegaram ao país ainda crianças, trazidos por seus pais


postado em 12/06/2018 18:59

Trump culpa os legisladores republicanos por aprovar
Trump culpa os legisladores republicanos por aprovar "leis ruins" e fracassar no reforço da legislação de controle da fronteira (foto: Anthony Wallace / AFP)

 
Senadores democratas pediram nesta terça-feira, 12/5, ao Congresso americano que acabe com a separação forçada de menores e suas famílias que entram ilegalmente nos Estados Unidos, e apresentaram um projeto de lei proibindo tal prática.


A iniciativa é ambiciosa para a minoria no Congresso, já que nenhum legislador republicano se manifestou a favor da ideia e não há qualquer sinal de que tenham votos suficientes para aprovar a lei.

Mas o projeto é um grito de alerta contra a polêmica política adotada pelo governo de Donald Trump e implementada na prática por iniciativa do Procurador-Geral, Jeff Sessions.

Adotada no mês passado, a medida se propõe a intimidar famílias com planos para entrar ilegalmente no território americano para pedir asilo.

A ideia de separar menores de suas famílias é criticada em todo o mundo, incluindo a Organização das Nações Unidas (ONU), que a considera uma séria violação dos direitos das crianças.

"A estátua da liberdade na política de Trump não mostra uma tocha, e sim um par de algemas", declarou o senador Jeff Merkley.

A senadora Dianne Feinstein, que citou as autoridades da fronteira, revelou que em apenas 14 dias do mês de maio 658 filhos foram separados de 638 pais.

Isto representa uma média de 47 famílias separadas brutalmente por dia.

"Não é os Estados Unidos que conhecemos e estamos decididos a acabar com isto", declarou Feinstein à imprensa.

Trump culpa os legisladores republicanos por aprovar "leis ruins" e fracassar no reforço da legislação de controle da fronteira.

"É preciso chamar isto por seu nome: um abuso dos direitos humanos cometido pelos Estados Unidos", disse a senadora Kamala Harris.

O projeto de lei determina que nenhuma agência oficial possa tirar uma criança de seus familiares "apenas com o objetivo político de conter indivíduos que emigrem para os Estados Unidos ou promover o respeito à lei migratória".

Trump fez do combate à imigração clandestina um dos pilares de sua presidência. Para tal, prometeu construir um muro na fronteira com o México.

O presidente já cancelou um programa desenhado e aplicado pelo ex-presidente Barack Obama para legalizar imigrantes que chegaram ao país ainda crianças, trazidos por seus pais.

Na semana passada, Sessions revelou que o governo não tem planos para interromper a separação de famílias.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade