Publicidade

Correio Braziliense

Príncipe William chama Territórios palestinos de "país"

A comunidade internacional geralmente se abstém de se referir aos Territórios Palestinos como um Estado ou um país


postado em 27/06/2018 13:32

(foto: Abbas Momani / POOL / AFP)
(foto: Abbas Momani / POOL / AFP)
Ramallah, Territórios palestinos -
Sua visita era para ser apolítica, mas o príncipe William pareceu sacudir nesta quarta-feira a usual linguagem diplomática ao chamar os Territórios palestinos de "país", durante seu encontro com o presidente Mahmoud Abbas em Ramallah.

Após ter sido recebido pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, no dia anterior em Jerusalém, o duque de Cambridge deu prosseguimento na Cisjordânia, ocupada por Israel, à primeira visita oficial de um membro da família real britânica a Israel e aos Territórios palestinos.

Suas primeiras palavras dirigidas ao presidente palestino destoaram do discurso comumente usado por diplomatas ocidentais diante das complexidades linguísticas do conflito israelense-palestino.

"Obrigado por me receberem. Estou muito feliz com a estreita colaboração entre nossos dois países e com os sucessos alcançados nos campos da educação e da ajuda humanitária", disse ele, falando sem consultar anotações.

A comunidade internacional geralmente se abstém de se referir aos Territórios Palestinos como um Estado ou um país.

A Assembleia Geral das Nações Unidas concedeu em 2012 o status de Estado observador não-membro à Palestina. Os Territórios Palestinos devem, um dia, formar um Estado independente a que os palestinos aspiram.

O ministério das Relações Exteriores britânicos nem os serviços do príncipe comentaram tais declarações.

Em 2016, um deputado da direita israelense provocou uma série de protestos ao parecer questionar a existência do povo palestino, porque a letra P não existiria em árabe e que a Palestina seria um nome de empréstimo.

Parte da direita é hostil à criação de um Estado palestino, e alguns membros do governo israelense apoiam a anexação de pelo menos parte da Cisjordânia.

O horizonte da paz nunca pareceu tão distante e, para o príncipe, o exercício diplomático é delicado.

Sua visita ocorre pouco mais de um mês após a inauguração da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém, que endossou o reconhecimento do presidente Donald Trump da cidade como a capital de Israel, uma decisão vigorosamente contestada pelos palestinos.

Membros da direita israelense criticaram o fato de que parte da visita do príncipe a Jerusalém Oriental e à Cidade Velha na quinta-feira foi apresentada pelos britânicos como ocorrendo nos Territórios Palestinos ocupados.

A anexação de Jerusalém Oriental por Israel nunca foi reconhecida pela comunidade internacional, que considera Jerusalém Oriental como território.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade