Publicidade

Correio Braziliense

Criminoso que protagonizou fuga espetacular de prisão na França é procurado

Redoine Faïd foi condenado em segunda instância, em abril, a 25 anos de prisão por um assalto fracassado que custou a vida, em 2010, de uma policial morta a tiros


postado em 02/07/2018 10:35

(foto: Reprodução/Internet)
(foto: Reprodução/Internet)
Paris, França - O criminoso Redoine Faïd, ladrão reincidente, continua sendo procurado nesta segunda-feira (2/7) na França depois de sua fuga espetacular de helicóptero no dia anterior de uma prisão.

Vinte e quatro horas depois dos eventos, cerca de 2.900 policiais e gendarmes estão mobilizados em todo território francês para tentar recapturar o "rei da fuga", que já havia escapado há cinco anos de uma prisão no norte do país.

Enquanto muitas questões surgem sobre o nível de segurança desta prisão de Réau, perto de Paris, a ministra da Justiça, Nicole Belloubet, reconheceu possíveis erros, em entrevista à rádio Europe 1.

"Eu não pretendo apontar que não houve falhas. Pode ter havido uma. Se este foi o caso, vamos remediá-la imediatamente", disse ela.

"Eu pedi uma missão de inspeção geral hoje no local", completou.

Quase ao mesmo tempo, na rádio RTL, o primeiro-ministro Edouard Philippe ressaltou "que a urgência é a mobilização para encontrar esse indivíduo", reconhecendo que essa fuga "traz muitas questões".

A fuga aconteceu no domingo de manhã: um helicóptero com um "comando armado" de três cúmplices aterrissou no pátio da prisão para resgatar Redoine Faïd, uma operação que durou dez minutos.

O helicóptero foi encontrado na região de Paris parcialmente incendiado, e o piloto, que havia sido feito refém, em choque após ser espancado.

Faïd e seus cúmplices fugiram em um sedã preto, a bordo do qual estava um quarto homem. O carro foi encontrado no estacionamento de um shopping na periferia de Paris. Segundo uma fonte próxima à investigação, o comando desapareceu a bordo de pelo menos um outro veículo.

Comando muito bem preparado

"Estamos diante de um comando muito bem preparado, muito bem organizado e que pousou no único espaço desta prisão que não tinha um sistema anti-helicóptero", reagiu a ministra da Justiça.

Para Emmanuel Baudin, secretário-geral do sindicato penitenciário FO, Faïd "não estava no lugar certo".

"Ele deveria estar em um estabelecimento de segurança máxima (...) onde um helicóptero jamais poderia pousar, porque há cabos em todos os lugares, porque as torres são muito altas e fortemente armadas", declarou Baudin à França Info.

Em junho de 2013, um relatório encomendado pelo Departamento de Administração Prisional (DAP) havia alertado para problemas dentro da penitenciária de Réau, principalmente relacionados a uma supervisão frouxa na casa central, destinada aos detentos considerados mais perigosos.

Esta inspeção foi realizada após a tentativa de dois detentos de explodir uma porta do pátio. Entre eles estava Smaïn Ait Ali Belkacem, um dos autores dos atentados de 1995 na França.

De acordo com o DAP, o centro de detenção de Réau, que atualmente tem 650 presos para 800 vagas, apresenta "um nível de segurança apropriado para acomodar detentos particularmente perigosos".

Redoine Faïd foi condenado em segunda instância em abril a 25 anos de prisão por um assalto fracassado que custou a vida, em 2010, da policial Aurélie Fouquet, morta a tiros durante uma perseguição na estrada.

Ele foi condenado duas vezes em 2017: a 10 anos de prisão por escapar da prisão em 2013 e a 18 anos de prisão por atacar um carro blindado em 2011.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade