Publicidade

Correio Braziliense

Protestos na fronteira México-EUA contra separação de famílias

De maio passado até meados de junho, 2.300 crianças tinham sido separadas de seus pais


postado em 02/07/2018 15:07

Nos Estados Unidos foram realizadas maciços protestos contra a política de migração de Trump(foto: Saul Loeb / AFP)
Nos Estados Unidos foram realizadas maciços protestos contra a política de migração de Trump (foto: Saul Loeb / AFP)

 
Ativistas e organizações da sociedade civil se manifestaram neste sábado, 30/6, em Ciudad Juárez, no México, fronteiriça com a cidade americana de El Paso, contra a separação de famílias de imigrantes que são detidas nos Estados Unidos.

Meia centena de manifestantes marcharam pelo centro de Ciudad Juárez e depois se dirigiram a uma das pontes internacionais, onde a passagem de veículos foi suspensa durante o protesto, constatou a AFP.

"Os pais não sabem o que acontece com seus filhos, que estão abrigados em zonas insalubres, em jaulas como cães", disse à imprensa José Luis Castillo, um dos ativistas que participaram no protesto.

Nos cartazes também se lia slogans contra o muro fronteiriço que o presidente americano, Donald Trump, insiste em construir e contra a militarização da fronteira.

De maio passado até meados de junho, 2.300 crianças tinham sido separadas de seus pais, detidos quando cruzavam a fronteira, como resultado da política de "tolerância zero" à imigração ilegal aplicada pelo governo de Trump. 

O presidente americano foi alvo de críticas por esta medida dentro e fora dos Estados Unidos, após a divulgação das condições em que os menores estavam.

Há uma semana, sob forte pressão, Trump decidiu pôr fim às separações de famílias de migrantes, cujos filhos ficaram dispersos em abrigos de todo o país.

Nos Estados Unidos foram realizadas maciços protestos contra esta política. 

O Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) aprovou na sexta-feira, 29/6, uma resolução proposta pelo México que condena a prática de separar famílias imigrantes nos Estados Unidos e que pede medidas para reunificá-las "o mais rápido possível".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade