Publicidade

Correio Braziliense

Substância desconhecida deixa duas pessoas em estado crítico em Londres

As duas pessoas, um homem e uma mulher ambos com cerca de 40 anos, foram encontrados inconscientes a poucos quilômetros de onde o ex-espião russo Serguei Skripal teria sido vítima de uma tentativa de envenenamento


postado em 04/07/2018 07:53

Londres, Reino Unido - Duas pessoas foram internadas em estado crítico no hospital de Salisbury, após serem expostas a uma "substância desconhecida" em Amesbury, a poucos quilômetros de onde o ex-espião russo Serguei Skripal teria sido vítima de uma tentativa de envenenamento.

Os dois pacientes "estão sendo tratados por uma suposta exposição à substância desconhecida no hospital de Salisbury", precisou nesta quarta-feira a polícia do condado de Wiltshire, que qualificou o fato de "incidente importante". 

As duas pessoas, um homem e uma mulher ambos com cerca de 40 anos, foram encontrados inconscientes no sábado passado, em uma casa em Amesbury, onde Skripal e sua filha Yulia foram vítimas de uma tentativa de envenenamento em 4 de março passado, segundo o governo britânico.

Os dois pacientes "estão em estado crítico", afirmou a polícia. 

A princípio, se pensou em uma overdose por heroína ou crack, mas a hipótese foi descartada e estão sendo realizados exames adicionais "para estabelecer a natureza da substância que afetou estes pacientes". 

Do mesmo modo, os Skripal foram encontrados inconscientes em um banco na rua, perto de um centro comercial, e os primeiros depoimentos mencionaram a possibilidade de que fossem viciados.

"Estamos abertos no que diz respeito às circunstâncias do incidente", indicou a polícia. 

Nenhum risco para a população

Vários cordões de segurança foram estabelecidos para isolar as áreas onde as vítimas podem ter passado e o contingente da polícia está reforçado em Amesbury e Salisbury.

As autoridades fecharam ao público o parque Queen Elizabeth Gardens de Salisbury, de acordo com a rádio local Spire, e a polícia reforçou a presença diante da igreja batista de Amesbury, informou o jornal The Guardian. 

A agência estatal Public Health England (PHE) avaliou que o caso "não representa um risco significativo de saúde para o público em geral".

Uma constatação que será, no entanto, "continuamente reavaliada, em função das informações obtidas", afirmou um porta-voz do PHE, citado pela agência Press Association. 

No dia 4 de março, Serguei e Yulia Skripal foram encontrados inconscientes e levados a um hospital de Salisbury em estado crítico. Antes, os dois haviam tomado uma cerveja em um pub e almoçaram em um restaurante italiano. As autoridades concluíram que a dupla foi vítima de um atentado com um agente químico. 

Os dois foram tratados durante semanas, se recuperaram e receberam alta médica. 

Londres acusou Moscou de estar por trás do caso Skripal, um ex-coronel do serviço secreto miltar russo condenado por traição por repassar segredos a Londres e que se mudou para a Inglaterra após uma troca de espiões.

O Kremlin negou qualquer implicação, mas o governo da primeira-ministra britânica Theresa May denunciou que o ataque foi cometido com um agente nervoso da variedade novichok, que é fabricado em laboratórios militares russos, e só havia duas opções: que Moscou teria usado ou perdido o controle da substância.

O incidente provocou uma crise diplomática entre os dois países e uma onda de expulsões cruzadas de diplomatas por parte do Reino Unido e países aliados, de um lado, e da Rússia, do outro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade