Publicidade

Correio Braziliense

Enfermeira usa vodu para intimidar mulheres e é acusada de tráfico sexual

Uma enfermeira londrina usou vodu para ameaçar cinco mulheres nigerianas e forçá-las a trabalhar como prostitutas na Alemanha


postado em 04/07/2018 18:40

Londres, Reino Unido - Uma enfermeira londrina, que usou vodu para ameaçar cinco mulheres nigerianas e forçá-las a trabalhar como prostitutas na Alemanha, foi condenada a 14 anos de prisão nesta quarta-feira (4/7).


Durante o julgamento, o juiz Richard Bond, do tribunal de Birgmingham (Reino Unido), declarou que a enfermeira Josephine Iyamu, de 51 anos, era culpada de violações "abomináveis".

As nigerianas correram risco de vida "real e significativo" quando foram forçadas a atravessar em um barco o Mediterrâneo até a Europa.

"Você demonstrou um desprezo total pelo bem estar dessas mulheres", denunciou o juiz. "Você não as vê como seres humanos, mas como mercadorias que lhe rendem um bom dinheiro".

Apesar de ganhar um salário modesto como enfermeira, Iyamu viajava frequentemente ao exterior e possuía uma mansão na cidade de Benin, Nigéria.

"Usando de seu status, Iyamu recrutou em vilarejos mulheres vulneráveis e lhes prometia uma vida melhor na Europa", explicou em um comunicado a National Crime Agency(NCA), agência britânica de luta contra o crime.

Antes da partida dessas nigerianas, a enfermeira submeteu as vítimas a rituais vodu "juju" para aumentar seu poder sobre elas. Durante a cerimônia, as mulheres deviam comer corações de galinha e beber sangue com vermes. 

"Elas pensavam que aconteceria algo grave com elas ou com suas famílias caso não respeitassem o compromisso estabelecido com Iyamu ou tentassem escapar", segundo a NCA.

Iyamu foi considerada culpada segundo a lei moderna sobre escravidão. 

Foi também condenada por obstrução da justiça depois de ter arranjado a prisão de parentes das vítimas na Nigéria depois que foi presa em agosto de 2017.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade