[an error occurred while processing this directive] Guerra comercial de Trump contra a China vira realidade - Mundo
Publicidade

Correio Braziliense

Guerra comercial de Trump contra a China vira realidade

A escalada global das disputas comerciais de Trump afetou a economia, com tarifas vigentes para o aço e o alumínio importados desde seus principais parceiros comerciais, entre eles a União Europeia e o Canadá


postado em 05/07/2018 18:32

A influente Câmara de Comércio dos EUA pediu que Trump reconsiderasse suas ações(foto: Brendan Smialowski/AFP)
A influente Câmara de Comércio dos EUA pediu que Trump reconsiderasse suas ações (foto: Brendan Smialowski/AFP)

 
Após meses de ameaças e tentativas infrutíferas de evitar uma guerra comercial entre as maiores economias mundiais, o aumento das tarifas dos Estados Unidos sobre bens chineses vai valer a partir da meia-noite desta quinta-feira (5/7).

O cenário está armado: a China anunciou represálias imediatas contra produtos americanos e, por sua vez, o presidente Donald Trump respondeu que aumentará progressivamente as penalidade a um total de 450 bilhões de dólares em bens. Essa soma representa a melhor parte das exportações chinesas aos Estados Unidos. 

A escalada global das disputas comerciais de Trump afetou a economia, com tarifas vigentes para o aço e o alumínio importados desde seus principais parceiros comerciais, entre eles a União Europeia e o Canadá. Além disso, a Casa Branca ameaça impor tarifas às importações de automóveis.

Os preços estão aumentando, especialmente os de aço e alumínio, e as empresas americanas se mostram reticentes a investir ou planejam mover sua produção para fora do país, para evitar represálias contra as exportações dos Estados Unidos. 

Trump diz que as medidas têm como objetivo beneficiar as empresas americanas, que, segundo sua visão, poderiam se tornar mais competitivas. 

Mas para empresas como a Mid-Continent Nail Corporation - a maior indústria de pregos do país -, a alta do preço representou uma queda imediata de empregos e a empresa teme se ver obrigada a deixar de funcionar.

A partir de sexta-feira

Inicialmente, Trump ameaçou a China com a imposição de tarifas de 25% sobre mercadorias por 50 bilhões de dólares por ano pelo que Washington considera um roubo de tecnologia americana. 

Mas a lista foi reduzida a uma quantidade menor de produtos, por mais de 34 bilhões de dólares, depois que as empresas americanas exigiram isenções para importações consideradas importantes. 

Uma segunda parte dos bens avaliados em 16 bilhões de dólares será analisada após um processo de revisão e observação do público, algo que poderia reduzir o volume total. 

As taxas miram em produtos chineses que, para Washington, são comercializados de forma injusta - como veículos de passageiros, transmissores de rádio, peças para aviões e discos rígidos para computadores compõem essa lista.

Pequim vai retaliar a partir de sexta-feira, 6/7, com tarifas que inicialmente afetarão o equivalente a 30 bilhões de dólares em produtos americanos. 

Entre outros, veículos e alimentos e produtos agrícolas, como a soja, serão tributados, o que afetará duramente os agricultores americanos. 

Os 15 bilhões de dólares restantes corresponderiam a uma segunda fase, que incluiria petróleo, gás propano e produtos químicos. 

Além das tarifas, a disputa inclui o escrutínio dos investimentos chineses nos Estados Unidos que Washington considera sensíveis para a economia nacional ou para a segurança. Isso já causou uma queda nos investimentos chineses nos Estados Unidos.

"A China não cederá à ameaças ou à chantagem", disse o porta-voz do Ministério do Comércio da China, Gao Feng, na quinta-feira. 

"Os Estados Unidos iniciaram esta guerra comercial, não queremos, mas não temos outra opção a não ser lutar", acrescentou.

Ameaça econômica

Economistas alertam há meses sobre os possíveis danos que o protecionismo de Trump pode causar ao comércio e à economia global. 

Esta política pode aumentar os preços e afetar as cadeias de distribuição internacionais.

Washington deu pouco crédito a essas preocupações. O secretário do Comércio, Wilbur Ross, disse que as advertências são "prematuras e provavelmente muito imprecisas". 

Trump tuitou nesta semana que a economia está "talvez melhor do que nunca", até mesmo "antes de consertar alguns dos piores e mais injustos acordos comerciais que um país já fez". 

Mas os empresários dos Estados Unidos alertam para os prejuízos aos que estiverem expostos. 

A influente Câmara de Comércio dos EUA pediu que Trump reconsiderasse suas ações. Ela argumentou que as tarifas agora afetam as exportações equivalentes a 75 bilhões e colocam em risco milhares de empregos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade