Publicidade

Correio Braziliense

Três engenheiros filipinos e um sul-coreano são sequestrados na Líbia

O sequestro dos quatro engenheiros acontece algumas semanas depois da libertação de três turcos que trabalhavam na construção de uma central elétrica no sul da Líbia


postado em 06/07/2018 18:57

Três engenheiros filipinos e um sul-coreano foram sequestrados nesta sexta-feira (6/7) por um grupo armado no sul da Líbia. Os quatro homens trabalhavam em um projeto hidráulico para as autoridades libanesas, anunciou o empregador deles em um comunicado.

O "Órgão de execução da gestão do projeto de rio artificial" detalhou que um grupo armado "invadiu a localidade de Al-Hassawna" (cerca de 900 km ao sul de Trípoli) e sequestrou os quatro engenheiros, assim como três libaneses encarregados da segurança.

Os três libaneses foram soltos a dez quilômetros de distância, enquanto que os quatro estrangeiros foram "conduzidos a uma destinação desconhecida", segundo o comunicado.

O projeto do rio artificial, considerado um orgulho pelo antigo dirigente libanês destituído Muammar Kadhafi, é uma rede de canalizações gigantes, que conduz a água de lençóis freáticos do deserto em direção às cidades litorâneas.

O "órgão" encarregado desse projeto pediu que tanto as autoridades libanesas quanto os dirigentes no sul do país interviessem para libertar os engenheiros.

"Tais atos terão um impacto negativo no funcionamento e na manutenção" do rio artificial, indicou o "órgão", prevenindo contra uma "suspensão do abastecimento de água nas cidades e nos projetos agrícolas na região oeste do país" e em particular a cidade de Trípoli.

O sequestro dos quatro engenheiros acontece algumas semanas depois da libertação de três turcos que trabalhavam na construção de uma central elétrica no sul da Líbia, oito meses após terem sido feitos reféns.

Desde a queda do regime de Kadhafi, em 2011, os trabalhadores estrangeiros e os representantes diplomáticos na Líbia são regularmente alvos de ataques e de sequestros por milícias poderosas ou por militantes do grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade