Publicidade

Correio Braziliense

Jornalistas da Reuters serão julgadas em Mianmar por "violação" de segredo

Wa Lone, 32 anos, e Kyaw Soe Oo, 28, estão detidos de modo preventivo há quase sete meses


postado em 09/07/2018 07:13

(foto: Sai Aung Main/AFP)
(foto: Sai Aung Main/AFP)

 
Yangon, Mianmar  - A justiça de Mianmar rejeitou nesta segunda-feira o arquivamento do caso contra dois jornalistas birmaneses da agência Reuters acusados de "violação de segredo de Estado" por terem investigado o drama dos rohingyas.

O juiz responsável pelo caso anunciou nesta segunda-feira (9/7) que decidiu iniciar o julgamento "em virtude da lei sobre o segredo de Estado".

Wa Lone, 32 anos, e Kyaw Soe Oo, 28, estão detidos de modo preventivo há quase sete meses para audiências prévias ao julgamento.

A Reuters afirma que os dois repórteres se limitavam a cumprir seu trabalho de informar sobre o massacre de muçulmanos rohingyas. A agência havia solicitado a rejeição do caso.

Os dois jornalistas foram detidos em dezembro e acusados de posse de material sensível relacionado a operações de segurança no estado de Rakhine, afetado pela crise dos rohingyas.

Grupos de defesa dos direitos humanos e analistas internacionais criticaram as acusações, consideradas um ataque contra a liberdade de imprensa e um esforço para reprimir a cobertura da crise dos rohingyas. 

Durante as audiências prévias ao julgamento, a Promotoria argumentou que os repórteres tentaram obter acesso a "documentos secretos" e deveriam ser punidos.

Os jornalistas afirmam que foram enganados pela polícia.

"Não fizemos nada errado", declarou, indignado, Wa Lone ao ouvir a decisão do juiz.

As operações do exército em agosto de 2017 forçaram mais de 700.000 pessoas da minoria rohingya, que têm a cidadania birmanesa negada, a fugir para Bangladesh.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade