Publicidade

Correio Braziliense

Trump e seu governo enfrentam nova polêmica por declarações sobre a Rússia

Essa é a segunda vez em três dias que o governo precisou corrigir ou esclarecer uma declaração do presidente


postado em 18/07/2018 19:24

Essa é a segunda vez em três dias que o governo precisou corrigir ou esclarecer uma declaração do presidente(foto: Nicholas Kamm/AFP)
Essa é a segunda vez em três dias que o governo precisou corrigir ou esclarecer uma declaração do presidente (foto: Nicholas Kamm/AFP)

 
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assegurou nesta quarta-feira (18/7) que ninguém é mais "firme" do que ele com a Rússia, mas gerou uma nova polêmica com uma confusa declaração sobre as supostas tentativas de Moscou de continuar interferindo no processo político local.

"Nunca houve presidente mais firme com a Rússia do que eu tenho sido", disse Trump a jornalistas na Casa Branca, em uma semana em que não consegue apaziguar as críticas generalizadas por suas contraditórias declarações sobre as relações com o Kremlin.

Ao ser perguntado por jornalistas se a Rússia ainda busca interferir no processo político dos Estados Unidos como teria feito nas eleições de 2016, Trump se limitou a dizer "não", mas sem dar mais detalhes.

Essa posição contradiz, entretanto, com a avaliação do chefe de Inteligência dos EUA, Dan Coats, que disse na segunda-feira que a interferência da Rússia no país estava "em andamento".

Instantes mais tarde, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, garantiu que quando Trump disse "não", na verdade, estava se referindo ao fato de que não queria responder perguntas.

"O presidente disse 'muito obrigado', e disse 'não' para responder mais perguntas", explicou Sanders.

A porta-voz declarou que Washington estava tomando as medidas necessárias para que essa suposta interferência russa não ocorra, mas admitiu que "são passos dados porque há ali uma ameaça".

Idas e vindas

Essa é a segunda vez em três dias que o governo precisou corrigir ou esclarecer uma declaração do presidente sobre a Rússia, após uma confusa entrevista coletiva realizada na segunda-feira na Finlândia com o chefe de Estado russo, Vladimir Putin.

Nessa coletiva, Trump surpreendeu o mundo ao afirmar publicamente que não via razões para a Rússia ter interferido nas eleições de 2016, apesar da conclusão contrária dos órgãos de Inteligência.

Em meio à consternação nacional provocada por essa declaração, na terça-feira Trump disse que havia se "expressado mal" e que, na realidade, quis dizer que não havia razões para que a Rússia não tenha interferido nas eleições americanas.

"Aceito a conclusão de nossa comunidade de Inteligência de que a ingerência da Rússia nas eleições de 2016 ocorreu", disse o presidente a jornalistas.

Apesar dessa declaração, que parecia colocá-lo em sintonia com os órgãos de Inteligência, Trump voltou a gerar confusão ao acrescentar que a ingerência "pode ter sido de outras pessoas, também. Há muita gente por aí". A afirmação voltou, assim, a questionar a veracidade da conclusão dos trabalhos da Inteligência americana.

Três dias antes da cúpula de Trump com Putin, o Departamento de Justiça dos EUA havia acusado formalmente 12 cidadãos russos que teriam instrumentalizado a ingerência por meio das redes sociais e pelo roubo de e-mails.

Além disso, no final de semana, uma jovem russa de 29 anos, Maria Boutina, foi detida e acusada de atuar irregularmente como "agente" da Rússia para infiltrar-se no "aparato político" americano.

Polêmica indissipável

Na semana passada, o influente diretor nacional de Inteligência, Dan Coates, disse durante uma entrevista coletiva em Washington que a Rússia estava envolvida em um esforço "constante e amplo" para "minar nossa democracia".

Nesta quarta, a grande polêmica, que desde segunda-feira tem deixado Trump exposto a pesadas críticas de aliados e adversários, ainda parecia longe de ser dissipada.

O influente senador conservador Lindsey Graham disse à imprensa que o presidente precisa esclarecer de forma definitiva a discrepância entre ele e os responsáveis pelas agências de Inteligência.

O senador democrata Robert Menéndez lembrou, ainda, que os diretores de todas as agências de Inteligência foram escolhidos e nomeados por Trump, o que torna a explicação dessa discrepância ainda mais necessária.

Nesta quarta, parlamentares democratas pressionaram o Congresso americano a intimar a tradutora de Donald Trump que o acompanhou na negociação a portas fechadas de duas horas com Putin na segunda-feira. 

Os democratas dizem que a mulher que traduziu para Trump - e as notas que ela provavelmente tomou durante a reunião - poderiam fornecer informações críticas sobre o que aconteceu.

Além da convicção dos órgãos de espionagem sobre a ingerência da Rússia nas eleições de 2016, o procurador especial apontado pelo Departamento de Justiça investiga se houve conluio com o comitê de campanha de Trump.

A investigação parece estar atormentando a Casa Branca, que não consegue superar essa crise de forma definitiva.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade