Publicidade

Correio Braziliense

Trump não permitirá que a Rússia interrogue funcionários americanos

Esta questão surgiu no na diálogo entre Trump e Putin na Finlândia


postado em 19/07/2018 18:35

Trump não permitirá que a Rússia interrogue funcionários americanos(foto: Yuri Kadobnov / AFP)
Trump não permitirá que a Rússia interrogue funcionários americanos (foto: Yuri Kadobnov / AFP)
 
 
Washington, Estados Unidos - O presidente Donald Trump não aceita a proposta do líder russo Vladimir Putin de permitir que Moscou interrogue funcionários americanos, informou nesta quinta-feira (19/7) a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders.

"Foi uma proposta lançada pelo presidente Putin, mas o presidente Trump não está de acordo", afirmou Sanders, apesar de manifestar sua confiança que a Rússia, em compensação, permitirá que os 12 funcionários russos acusados de ingerência nas eleições americanas de 2016 possam ir aos Estados Unidos para provar sua inocência.

Esta questão surgiu no diálogo entre Trump e Putin segunda-feira (16/7) na Finlândia, após o indiciamento nos Estados Unidos de 12 cidadãos russos apontados como agentes de órgãos de inteligência. Na coletiva de imprensa que se seguiu à reunião, Trump disse que Putin havia feito uma "oferta incrível" de permitir que um promotor americano fosse a Moscou para falar com os 12 cidadãos russos acusados.
 
Em contrapartida, Putin pediu permissão para interrogar o ex-embaixador americano em Moscou, Michael McFaul, e o empresário Bill Browder (naturalizado britânico). Este último foi um dos principais defensores de uma lei aprovada no Congresso dos Estados Unidos sobre sanções contra a Rússia e conhecida como "Lei Magnitsky", em referência a um opositor russo, Serguei Magnitsky, que morreu na prisão em 2009.

A ideia de que os Estados Unidos autorizem seus funcionários a serem interrogados por outro governo foi recebida com evidente rejeição, especialmente no Congresso. Nesse sentido, Browder havia opinado que autorizar o governo russo a interrogá-lo equivalia a uma "sentença de morte".

Na quarta-feira (18/7), a própria Sanders alimentou ainda mais a controvérsia ao afirmar que Trump se encontraria "com sua equipe" para discutir a possibilidade de permitir tais interrogatórios.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade