Publicidade

Correio Braziliense

Theresa May assume comando da negociação do Brexit

A primeira-ministra britânica assume o cargo para ganhar 'eficácia' em um momento em que o divórcio se aproxima a passos largos


postado em 24/07/2018 18:14 / atualizado em 24/07/2018 18:30

O Brexit é previsto para 29 de março de 2019(foto: Matt Dunham / POOL / AFP)
O Brexit é previsto para 29 de março de 2019 (foto: Matt Dunham / POOL / AFP)

Londres, Reino Unido - A primeira-ministra britânica, Theresa May, assumiu nesta terça-feira (24/7) a negociação sobre a saída da União Europeia, até agora conduzida pelo ministro do Brexit, para ganhar "eficácia" em um momento em que o divórcio se aproxima a passos largos.

Londres e Bruxelas precisam chegar a um acordo antes de outubro para organizar o Brexit, previsto para 29 de março de 2019, e estabelecer as bases de suas futuras relações. Entretanto, os europeus se preocupam com o avanço das negociações e os constantes ataques à estratégia de May em seu país. 

"É essencial que o governo se organize da maneira mais eficaz para permitir ao Reino Unido sair da União Europeia", explicou May em uma declaração escrita enviada ao parlamento.

O ministério do Brexit (DexEU) "continuará dirigindo todos os preparativos" para a saída da UE e "eu dirigirei as negociações com a União Europeia", ressaltou.

Este nova distribuição de competências priva o DexEU de uma grande parte de suas responsabilidades em benefício do "Europe Unit", um serviço do executivo dirigido pelo conselheiro de May para a UE, Olly Robbins, e sob ordens diretas da primeira-ministra.

A mudança constitui uma ruptura clara com o modo de funcionamento do executivo britânico até poucas semanas: o ministério do Brexit era então dirigido por David Davis, um defensor de uma saída da UE sem concessões que não hesitava em se opor a May sobre o conteúdo das negociações com Bruxelas.

David deixou o cargo no começo de julho, assim como o ministro das Relações Exteriores Boris Johnson, também defensor de um Brexit puro e duro. Ambos denunciaram a vontade da primeira-ministra de manter estreitos vínculos comerciais e com as "regras comuns" da UE.

- Raab "afastado" -


Com essa mudança, conclui-se uma sequência política que levou a primeira-ministra a obter várias vitórias no Parlamento, sem conseguir dar um basta às divisões sobre o Brexit entre os conservadores que ameaçam permanentemente sua liderança.

Embora May leve conduza as negociaçõs a partir de agora, ela não discutirá diretamente com o negociador-chefe da UE sobre Brexit, Michel Barnier, informou Robbins durante uma sessão do parlamento.

"Duvido", declarou, respondendo a uma pergunta sobre a questão. E acrescentou que o novo ministro do Brexit, Dominic Raab, continuará sendo o "interlocutor chave" nas negociações com os europeus.

"Ela se encarrega das negociações, eu sou apenas seu adjunto", assegurou Raab durante a sessão parlamentar, ressaltando que é "importante que haja uma equipe, uma cadeia de comando para chegar ao melhor acordo".

O anúncio dessa mudança provocou uma reação irônica da oposição trabalhista. "Dominic Raab foi afastado pela primeira-ministra antes de ter tido a oportunidade de colocar seus pés sobre a mesa", declarou uma porta-voz dos trabalhistas, Jenny Chapman.

Na terça-feira, o governo britânico também apresentou um livro branco destinado a determinar como se poderia incorporar na lei britânica um acordo com Bruxelas sobre a saída.

Entre as propostas aparece a extensão limitada no tempo da legislação atual, o European Communities Act de 1972 que marcou a adesão do Reino Unido à União Europeia, além do dia do Brexit.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade