Publicidade

Correio Braziliense

Juiz dos EUA dá sinal verde para ações contra Trump por corrupção

Este caso se refere aos lucros obtidos pelo Trump International Hotel, situado próximo da Casa Branca


postado em 26/07/2018 12:40

Trump sempre se negou a tornar pública sua declaração de impostos(foto: Saul Loeb/AFP)
Trump sempre se negou a tornar pública sua declaração de impostos (foto: Saul Loeb/AFP)

 
Washington, Estados Unidos - As ações contra o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusado de violar a Constituição ao manter suas ações em um hotel de Washington que hospeda funcionários de governos estrangeiros, poderão seguir seu curso - de acordo com a decisão de um juiz federal.

É a primeira vez que um juiz - Robert Messitte, do estado de Maryland - usa as cláusulas anticorrupção da Constituição conhecidas como "Emoluments clauses" e as aplica a um presidente em exercício, segundo diferentes veículos da imprensa americana.

Este caso se refere aos lucros obtidos pelo Trump International Hotel, situado próximo da Casa Branca. Com a decisão anunciada ontem pelo juiz Messitte, o assunto pode passar para a fase de coleta de provas.

Se isso se confirmar - o Departamento de Justiça pode apelar -, é provável que os demandantes busquem documentos financeiros relacionados com os negócios do presidente.

Trump sempre se negou a divulgar essa informação e, em particular, a tornar pública sua declaração de impostos, algo que seus antecessores na Casa Branca tinham o costume de fazer.

As "Emolument clauses" proíbem um presidente de se beneficiar financeiramente de governos locais e estrangeiros.

Os demandantes - o estado de Maryland e o Distrito de Columbia - acreditam que Trump viole essas cláusulas com seu hotel, muito popular entre as delegações oficiais que chegam a Washington.

O Departamento de Justiça tentou arquivar a ação, alegando que as cláusulas não se aplicavam ao hotel em questão, mas que estão destinadas a evitar que um presidente aceite subornos, e não que faça negócios. O juiz Mesitte considerou essa interpretação muito estreita.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade