Publicidade

Correio Braziliense

Governo grego suspeita que 'atos criminosos' provocaram incêndios

Os incêndios florestais mataram 82 pessoas


postado em 26/07/2018 16:49 / atualizado em 26/07/2018 20:17

As famílias das vítimas não puderam ver os corpos(foto: Savvas Karmaniola/AFP)
As famílias das vítimas não puderam ver os corpos (foto: Savvas Karmaniola/AFP)

 
Atenas, Grécia - O governo grego anunciou na noite desta quinta-feira (26/7) ter informado à Justiça que tem um "indício sério" de que o incêndio que causou mais de 80 mortos na segunda em Atenas teve origem criminosa.

O número de mortos nos incêndios na Grécia subiu para 82, ao mesmo tempo em que as equipes forenses realizavam a difícil tarefa de identificação dos corpos.

Há um "sério indício" de que "atos criminosos" estariam por trás dos devastadores incêndios que arrasaram uma região a leste de Atenas, declarou nesta quinta o ministro adjunto de Proteção Cidadã grego, Nikos Toskas.

"Quanto ao fogo que começou no monte Pendeli" e que se propagou para Mati, a cidade onde morreu a maioria das 82 vítimas, "há grandes interrogações e não nego que um sério indício nos levou a abrir uma investigação", afirmou Toskas em coletiva de imprensa com o porta-voz do governo, Dimitris Tzanakopoulos, e os chefes dos bombeiros e da Polícia.

No que diz respeito ao incêndio em Kineta, a oeste de Atenas, declarado horas antes do de Pendeli, sem deixar vítimas, o ministro indicou que também "há sérios indícios e rastros" que sugerem um "incêndio voluntário".

"Há testemunhos, mas não posso falar mais por enquanto", acrescentou.

O governo transmitiu todos estes elementos à Justiça, acrescentou o ministro. Os mesmos vão alimentar a investigação preliminar aberta na terça-feira, 24/7, pela Suprema Corte.

Os funcionários, usando mapas de apoio via satélite, destacaram que 13 incêndios começaram ao mesmo tempo em Atenas na segunda-feira, um fato já destacado por Tzanakopoulos na terça-feira.

O governo parece decidido a deter, assim, as críticas que começam sobre a gestão da tragédia pelas autoridades.

82 mortos, difícil identificação de corpos

Os serviços dos bombeiros elevaram a 82 o número de vítimas, embora não tenham informado se o novo óbito se deve a um corpo encontrado ou um ferido que faleceu no hospital.

Mais de trinta corpos ainda não foram identificados, segundo a emissora pública ERT.

Os demais seguem sendo analisados nesta quinta-feira pelos legistas, que esperam concluir esta tarefa no sábado, por meio de exames de DNA, explicou à agência grega ANA o chefe da equipe forense de Atenas, Nikos Karakoukis.

Um dos legistas lembrou à agência que os incêndios tiveram um "impacto enorme, com muitos corpos queimados, o que dificultou o reconhecimento".

As famílias não puderam ver os corpos, e um dos médicos admitiu que, mesmo para os profissionais da saúde, "era difícil suportar".

Além do número de telefone oficial, uma página on-line, criada por programadores voluntários, mostrava nesta quinta-feira as imagens de 27 pessoas desaparecidas, embora não se saiba se algumas delas estão entre os corpos recuperados.

Nas fotografias aparecem os rostos de homens e mulheres, a maioria deles sorrindo e todos eles com nomes gregos. Entre eles, estão as imagens das meninas gêmeas Vassiliki e Sofia e de seus avós.

A busca desesperada do pai pelas duas garotas de 9 anos causou comoção na Grécia depois que várias emissoras de TV exibiram a história nos últimos dias.

Estamos bem

O Ministério da Infraestrutura anunciou que cerca de metade das quase 2.500 casas vistoriadas está tão danificada que não é mais habitável, de acordo com estudos realizados na cidade afetada de Mati.

Nesta manhã, funcionários do Ministério caminharam pelas ruas desta cidade na costa leste de Attica, marcando as casas com "cores diferentes, dependendo de seu estado, e aquelas que podem ser reconstruídas", explicou Sia, um dos funcionários ministeriais.

Em várias portas, seus habitantes deixaram mensagens dizendo: "Estamos bem".

Em contrapartida, a viúva do cineasta Theo Angelopoulos relatou que os "arquivos pessoais" de seu marido foram queimados durante o incêndio que devastou a casa da família.

Associações locais têm ajudado os sobreviventes, fornecendo-lhes roupas, comida e alojamento nas localidades vizinhas, uma demonstração da solidariedade motivada pela tragédia.

Além disso, o governo grego anunciou na quarta-feira, 25/7, uma série de medidas de emergência para os afetados, que vão desde o pagamento de indenização pela perda de familiares e domicílios, até a isenção no pagamento de energia elétrica, ou o aumento de pontos para os exames de ingresso na universidade.

Um fundo especial também será criado para financiar a reconstrução dos edifícios destruídos, cujo orçamento inicial será de 40 milhões de euros (46 milhões de dólares) oferecidos pelo Estado grego, mas será aberto a outras doações, especialmente estrangeiras.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade