Publicidade

Correio Braziliense

Mongólia retém avião turco após suposta tentativa de sequestro

Vítima do sequestro seria um professor ligado ao movimento Gülen


postado em 28/07/2018 09:19

A Mongólia impediu na sexta-feira (27/7) a decolagem de um avião militar turco após a suposta tentativa de sequestro de um professor ligado ao movimento Gülen, considerado terrorista pelo governo da Turquia.

De acordo com amigos e testemunhas, pelo menos cinco homens sequestraram Veysel Akcay na sexta-feira à noite em sua residência em Ulan Bator e o obrigaram a entrar em um microônibus.

Akcay, de 50 anos, dirige uma escola na Mongólia e acredita-se estar relacionado com Fethullah Gulen, um pregador muçulmano exilado nos Estados Unidos e que é acusado pelo governo turco de estar por trás da tentativa de golpe de Estado na Turquia em julho de 2016.

No entanto, vários professores que o conhecem negaram à AFP que ele tenha ligação com o pregador.

Os sequestradores o levaram para o Aeroporto Internacional Gengis-Khan de Ulan Bator, onde havia um pequeno avião. Segundo o site flightradar24.com, que rastreia a posição das aeronaves em tempo real, tratava-se de um dispositivo usado pela Força Aérea turca.

Durante oito horas, os alegados sequestradores negociaram com as autoridades da Mongólia, que finalmente impediram a decolagem do avião com Akcay dentro. Centenas de manifestantes e vários deputados foram ao aeroporto para pedir sua libertação.

Battsetseg Batmunkh, vice-ministro das Relações Exteriores da Mongólia, alertou as autoridades da embaixada turca que qualquer tentativa de sequestro seria "uma séria violação da independência e soberania do país".

No entanto, o ministro das Relações Exteriores turco, Mevlüt Cavusoglu, negou as acusações de sequestro em um telefonema ao seu colega Tsogtbaatar Damdin, segundo informou o Ministério das Relações Exteriores da Mongólia.

O avião turco finalmente decolou às 9h25, mas sem Akcay, indicou no Twitter uma autoridade dos transportes mongol.

Depois de ser interrogado pela polícia e submetido a exames médicos, Veysel Akcay reapareceu em público na manhã deste sábado deixando um hospital de Ulan Bator, limitando-se a dizer que não conhecia seus sequestradores.

A Mongólia, um país de grande extensão de três milhões de habitantes localizado entre a China e a Rússia, tem um dos poucos regimes democráticos da região. 

O caso pode provocar uma crise diplomática entre os dois países e "envenenar uma relação bilateral muito ativa", alertou Julian Dierkes, professor da Universidade da Columbia Britânica (Canadá). 

Desde a tentativa fracassada de golpe, a Turquia, presidida por Recep Tayyip Erdogan, procura em todo o mundo por partidários de Fethullah Gülen. 

O movimento de Gülen, através de uma rede de instituições educacionais, aumentou sua influência tanto na Turquia quanto no exterior, especialmente na Ásia Central, na África e nos Bálcãs.

De acordo com a agência de notícias oficial turca Anatolia, mais de 1.600 pessoas foram condenadas à prisão perpétua por seu envolvimento no golpe, enquanto outros 77 mil suspeitos foram presos.

Nos últimos meses, os serviços secretos turcos realizaram várias operações para trazer para a Turquia alegados apoiantes de Gülen que vivem no exterior. Em abril, o governo turco disse que 80 pessoas foram presas em 18 países.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade