Publicidade

Correio Braziliense

Protestos no Chile contra libertação de condenados por crimes na ditadura

Protestantes acusam a Suprema Corte de favorecimento à impunidade


postado em 01/08/2018 19:54

(foto: Martin Bernetti / AFP)
(foto: Martin Bernetti / AFP)
Santiago, Chile - Familiares de vítimas da ditadura de Augusto Pinochet e ativistas de direitos humanos protestaram nesta quarta-feira (1/8) contra a decisão da Suprema Corte de libertar sete condenados por crimes contra a humanidade.

Dezenas de pessoas segurando fotografias de vítimas da ditadura se manifestaram fora do edifício da Suprema Corte em Santiago, acusando a autoridade judicial de ter favorecido "a impunidade" depois de conceder liberdade condicional a seis militares e um policial reformados, que cumpriam diferentes condenações em dois presídios da capital chilena.

"A Suprema Corte chilena não somente fez vergonha, tornando-se cúmplice da impunidade, como descumpriu tratados internacionais e isso é gravíssimo", disse Lorena Pizarro, presidente do Grupo de Familiares de Detidos Desaparecidos.

A libertação "vira as costas ao direito internacional e violenta tremendamente aqueles que lutaram para cimentar o nunca mais", indicou um comunicado do grupo.

Na terça-feira, a Suprema Corte do Chile acolheu vários recursos e concedeu a liberdade condicional a agentes da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) condenados por violarem os direitos humanos.

Segundo a Corte, os militares reformados cumpriam os requisitos legais e não havia impedimentos para lhes dar esse benefício.

Todos os beneficiados cumpriram grande parte das condenações, requisito essencial para ter direito à liberdade condicional, mas os grupos de direitos humanos afirmam que eles jamais se arrependeram por seus atos ou demonstraram vontade de colaborar na solução dos processos. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade