Publicidade

Correio Braziliense

Governo da Colômbia e ELN concluem diálogo de paz sem cessar-fogo

O presidente da Colômbia Juan Manuel Santos, assegurou que os protocolos foram exigidos 'primordialmente' pelas Nações Unidas


postado em 01/08/2018 20:49

(foto: Yamil Lage / AFP)
(foto: Yamil Lage / AFP)
Bogotá, Colômbia - O governo colombiano em fim de mandato e a guerrilha do ELN concluíram as negociações de paz em Cuba sem ter alcançado um cessar-fogo, deixando o futuro do processo nas mãos do novo presidente, revelou nesta quarta-feira (1/8) o presidente Juan Manuel Santos.

"O que esperamos é que o novo governo decida se vai continuar. Eu espero que o faça, com o que falta - que é muito pouco, eu diria que uns 10% - para iniciar o cessar-fogo real e verificável e continuar com o restante da agenda", afirmou o presidente a seis dias de transmitir o poder para o opositor Iván Duque.

Santos assegurou que até a noite de terça-feira (31/7), em Havana, as partes tinham bem definido como se desenvolveria a nova trégua bilateral e temporária, mas que a mesma não pôde ser concretizada pela falta de um acordo na verificação internacional a cargo da ONU.

"Para verificar são necessários alguns protocolos, uns procedimentos muito precisos para que não haja equívocos" e que todo mundo "fique tranquilo", acrescentou.

O presidente assegurou que os protocolos foram exigidos "primordialmente" pelas Nações Unidas, que monitoraria a trégua juntamente com a Igreja católica. "Nós dissemos, se há acordo entre o ELN e a ONU sobre os protocolos, nós avalizamos estes acordos e podemos iniciar o cessar-fogo", afirmou.

A organização internacional destacou que se deveria consultar o governo do conservador Duque se está de acordo com os procedimentos para o novo cessar-fogo. "Seria realmente contraproducente assinar algo que o novo governo não avalize (...) Seria desfazer tudo, gerar expectativas muito além do real e do conveniente", explicou Santos.

O presidente em fim de mandato ordenou o retorno nesta mesma quarta-feira de seus negociadores a Bogotá para que elaborem um informe para o novo governo sobre o estado das conversações, iniciadas formalmente em 2017.

Santos assegurou que sua delegação em Cuba deixou "bases muito avançadas" sobre o ponto da agenda de negociações que se refere à participação da sociedade na construção de paz.

O presidente eleito, afilhado político do ex-presidente Álvaro Uribe, prometeu endurecer as condições dos diálogos com o Exército de Libertação Nacional (ELN).

Além disso, afirmou que vai alterar trechos do histórico acordo de paz que desarmou e transformou em partido político a ex-guerrilha das Farc. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade