Publicidade

Correio Braziliense

Um ano depois Barcelona recorda vítimas de atentados da Catalunha

Os parentes das vítimas haviam solicitado uma "trégua" durante o dia, mas tanto independentistas como unionistas aproveitaram a homenagem para divulgar seus lemas políticos


postado em 17/08/2018 08:21 / atualizado em 17/08/2018 10:40

Em 17 de agosto de 2017, às 16h30 locais, Abouyaaqoub avançou com sua van em grande velocidade contra a multidão na Rambla. Quatorze pessoas morreram, incluindo um australiano de 7 anos e um espanhol de 3, e mais de 100 ficaram feridas. Quatro dias mais tarde, o motorista foi morto por policiais. (foto: Lluis Gene / AFP)
Em 17 de agosto de 2017, às 16h30 locais, Abouyaaqoub avançou com sua van em grande velocidade contra a multidão na Rambla. Quatorze pessoas morreram, incluindo um australiano de 7 anos e um espanhol de 3, e mais de 100 ficaram feridas. Quatro dias mais tarde, o motorista foi morto por policiais. (foto: Lluis Gene / AFP)
 
Barcelona, Espanha - Um ano depois dos atentados da Catalunha que deixaram 16 mortos, Barcelona presta homenagem nesta sexta-feira às vítimas, mas sem deixar de lado o conflito político pela questão da independência da região.

Os parentes das vítimas haviam solicitado uma "trégua" durante o dia, mas tanto independentistas como unionistas aproveitaram a homenagem para divulgar seus lemas políticos. Na Praça da Catalunha, onde aconteceu a cerimônia com a presença do rei Felipe VI e do primeiro-ministro Pedro Sánchez, uma faixa foi exibida contra o monarca: "O rei da Espanha não é bem-vindo nos países catalães", afirmava em inglês.

Também na Rambla, principal cenário da tragédia, uma faixa exigia a liberdade para os políticos independentistas presos.  Os grupos unionistas exibiram bandeiras espanholas durante a homenagem e receberam o monarca aos gritos de "viva o rei" e "viva a Espanha".

A unidade "nos torna fortes" 
 
Neste clima  Pedro Sánchez insistiu no Twitter que a "unidade de toda a sociedade espanhola nos torna fortes contra o terror e barbárie ... Este #17A e sempre, estaremos em Barcelona ao lado das vítimas, solidários com sua dor, unidos na recordação, disse o chefe de Governo.

Os atentados de Barcelona e Cambrils, que deixaram 16 mortos e mais de 100 feridos, consternaram a sociedade espanhola, mas foram rapidamente ofuscados pela tentativa frustrada de independência da Catalunha em outubro.

A tensão retornou com a presença na homenagem de Felipe VI, que já havia sido vaiado em um protesto contra os atentados no ano passado.  As duras opiniões do rei contra os independentistas durante a crise o transformaram em 'persona non grata' para os separatistas. Algumas associações organizaram homenagens paralelas.

Para evitar ais tensões, a prefeitura de Barcelona organizou uma cerimônia simples, sem discursos oficiais, com o protagonismo reservado para as 200 vítimas presentes, entre parentes dos falecidos e feridos. Um poema do inglês John Donne foi lido nos idiomas das vítimas e várias músicas foram interpretadas. Antes da homenagem, parentes das vítimas depositaram flores no mosaico do artista catalão Joan Miró no centro da Rambla, onde terminou o percurso mortal da van branca dirigida por Younes Abouyaaqoub.

Em 17 de agosto de 2017, às 16h30 locais, Abouyaaqoub avançou com sua van em grande velocidade contra a multidão na Rambla. Quatorze pessoas morreram, incluindo um australiano de 7 anos e um espanhol de 3, e mais de 100 ficaram feridas. Quatro dias mais tarde, o motorista foi morto por policiais. 

Em sua fuga, Abouyaaqoub matou um jovem para roubar seu carro. 

Cinco de seus cúmplices o imitaram na madrugada de 18 de agosto, atropelando pedestres na localidade balneária de Cambrils, sul de Barcelona, e depois os atacando com facas. Uma mulher morreu esfaqueada. Os agressores foram abatidos pela Polícia. Tinham 17, 19 e 24 anos.

Os investigadores reconstituíram os atentados, mas ainda buscam estabelecer se a célula extremista, da qual três membros estão na prisão, tinha efetivamente ligação com o grupo Estado Islâmico (EI), que reivindicou os ataques.

O que foi estabelecido é que Abdelbaki Es Satty, um marroquino de 44 anos que esteve preso por tráfico de drogas, era imã em Ripoll, uma pequena população no sopé dos Pirineus, e doutrinou inúmeros jovens, em sua maioria imigrantes marroquinos de segunda geração.

Em uma casa abandonada a 200 km de Barcelona, o grupo preparava explosivos e tinha como alvos potenciais a basílica da Sagrada Família, o estádio do Barcelona e até a Torre Eiffel de Paris, segundo os investigadores.

Mas a explosão acidental dos artefatos que eram preparados, em 16 de agosto, forçou o grupo a improvisar ataques com veículos, como os que já haviam acontecido em Nice (França), Londres e Berlim.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade