Publicidade

Correio Braziliense

Revolta popular ofusca funerais das vítimas da tragédia em Gênova

Os funerais solenes estão programados para sábado, mas as famílias de 17 das 38 vítimas fatais preferem não participar e sete famílias ainda não tomaram uma decisão


postado em 17/08/2018 10:42 / atualizado em 17/08/2018 10:51

Ver galeria . 19 Fotos ANDREA LEONI/AFP
(foto: ANDREA LEONI/AFP )
 
Gênova, Itália - A Itália se prepara para enterrar os mortos da tragédia de Gênova, em meio a uma crescente polêmica e ao mesmo tempo que prosseguem as buscas por desaparecidos sob os escombros da ponte que desabou na quarta-feira (15/8). Os funerais solenes estão programados para sábado no centro de exposições de Gênova, com uma missa celebrada pelo arcebispo de Milão na presença das principais autoridades da Itália, incluindo o presidente Sergio Mattarella. 

A cerimônia pode ser incômoda para as instituições italianas: o jornal La Stampa afirma que as famílias de 17 das 38 vítimas fatais preferem não participar e sete famílias ainda não tomaram uma decisão."O Estado provocou isto, que não mostrem suas caras. O desfile de políticos é vergonhoso", reagiu Nunzia, mãe de um jovem que faleceu na tragédia.

"Meu filho não vai virar um número no catálogo de mortes provocadas pelas falhas italianas", escreveu em uma rede social Roberto, pais de outra vítima. "Não queremos uma farsa de funeral, e sim uma cerimônia em casa, em nossa igreja, na Torre de Greco", completou.

Ao mesmo tempo, as equipes de resgate ainda procuram entre 10 e 20 desaparecidos que poderiam estar no viaduto no momento da tragédia. O balanço oficial continua o mesmo: 38 mortos e 15 feridos. "As buscas prosseguem, com a demolição e retirada de grandes blocos do viaduto desabado, para encontrar os desaparecidos", informou o corpo de bombeiros.

Quase mil pessoas trabalham no local da tragédia, incluindo 350 bombeiros.

Polêmica

A grande controvérsia entre o governo italiano e a empresa que administra a rodovia, a Autostrade per l'Italia, ocupa as manchetes da imprensa e não dá trégua. O governo anunciou a intenção de revogar o contrato de concessão da empresa no trecho que fica a ponte. 

"Você não pode morrer depois de pagar um pedágio na Itália", declarou o vice-premier Luigi Di Maio, ministro dp Desenvolvimento Econômico e líder do Movimento 5 Estrelas (M5S). "Não podemos esperar a justiça penal", afirmou o primeiro-ministro Giuseppe Conte. "A Autostrade tinha o dever e a obrigação, o compromisso, de garantir a manutenção deste viaduto e a segurança de todos os que transitavam por ele".

O grupo Atlantia, controlado pela família Benetton, proprietário da Autostrade per l'Italia, respondeu que os controles de segurança estavam corretos. A empresa afirmou que trabalha "com afinco" na reconstrução da ponte, uma obra que deve terminar em "cinco meses", assim que o local for liberado após as operações de busca.

Além da concessionária, o outro alvo dos ataques do governo italiano é a União Europeia (UE) e sua política de austeridade, acusada pelo novo Executivo do país de impedir novos investimentos.

A Comissão Europeia afirmou que estimulou a Itália a investir em infraestruturas e recordou que os Estados membros têm liberdade para "fixar prioridades políticas específicas, como por exemplo o desenvolvimento e a manutenção das infraestruturas". 

A Liga Italiana de futebol terá a primeira rodada da temporada 2018-19 no fim de semana, mas as partidas de Sampdoria e Genoa, as duas equipes da cidade, previstas para domingo, foram adiadas.

As outras partidas respeitarão um minuto de silêncio antes do pontapé inicial.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade