Publicidade

Correio Braziliense

Israel rejeita propostas da ONU de proteger palestinos

O relatório de 14 páginas apresentou quatro propostas, entre elas de aumentar a ajuda humanitária aos palestinos, enviar supervisores de direitos humanos das Nações Unidas e observadores desarmados, assim como mobilizar uma força militar e policial sob o mandato da ONU


postado em 18/08/2018 12:57

Imagem mostra palestino em frente ao logo da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (foto: Said Khatib/Arquivos )
Imagem mostra palestino em frente ao logo da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (foto: Said Khatib/Arquivos )


Israel rejeitou um relatório do secretário-geral da ONU, António Guterres, no qual propõe opções para fortalecer a proteção dos palestinos nos territórios ocupados pelo Estado hebreu. O embaixador de Israel na ONU, Danny Danon, declarou em comunicado na noite de sexta-feira que "a única proteção que o povo palestino precisa é de sua própria liderança".

O relatório de 14 páginas apresentou quatro propostas, entre elas de aumentar a ajuda humanitária aos palestinos, enviar supervisores de direitos humanos das Nações Unidas e observadores desarmados, assim como mobilizar uma força militar e policial sob o mandato da ONU.

O informe foi solicitado pela Assembleia-Geral em resposta ao aumento da violência em Gaza, onde 171 palestinos morreram sob o fogo israelense desde o fim de março. "Ao invés de sugerir formas de proteger o povo palestino de Israel, a ONU deveria responsabilizar os líderes palestinos por continuamente colocar em perigo a própria população", afirmou Danon. "As sugestões do relatório só propiciarão que continue a rejeição palestina".

Um mandato da ONU para uma força de proteção iria requerer uma decisão do Conselho de Segurança, onde os Estados Unidos podem usar o poder de veto para bloquear uma medida à qual Israel se opõe.

O informe, entregue a todos os Estados-membros da ONU, surge em meio a um vazio, enquanto potências europeias e o Oriente Médio aguardam o plano de paz do governo do presidente Donald Trump que esteve em discussão por meses.

Os diplomatas da ONU começaram recentemente a questionar se o plano de paz dos Estados Unidos se materializará em algum momento.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade