Publicidade

Correio Braziliense

Situação se normaliza, mas venezuelanos temem novos ataques em Pacaraima

O fluxo na fronteira entre Brasil e Venezuela era normal nesta segunda-feira (20), embora os migrantes venezuelanos em Pacaraima temam serem alvo de novos ataques como os de sábado


postado em 20/08/2018 16:19 / atualizado em 20/08/2018 19:30

Os ataques impulsionaram a ida de 1.200 pessoas para a Venezuela(foto: AFP)
Os ataques impulsionaram a ida de 1.200 pessoas para a Venezuela (foto: AFP)
 
O fluxo de pedestres e veículos na fronteira entre o Brasil e a Venezuela se normalizou nesta segunda-feira (20), embora os migrantes venezuelanos em Pacaraima temam ser alvo de novos ataques como os de sábado, quando moradores incendiaram seus pertences nas ruas.

A presença de tropas da Força Nacional é notória nas imediações do posto fronteiriço, antes mesmo da chegada dos reforços prometidos no domingo pelo presidente Michel Temer, que convocou à tarde uma nova reunião ministerial para "buscar soluções" para esta situação.

O ministro-chefe do gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, assegurou que a região estava "mais tranquila", com tensões mas sem "perspectiva de conflito".

Ainda assim, a governadora de Roraima, na fronteira com a Venezuela, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que suspenda a entrada de imigrantes e que acelere sua distribuição pelos demais 26 estados do país.

A ministra Rosa Weber, do STF, havia indeferido em 6 de agosto decisão de uma juíza federal, aplaudida pela governadora Suely Campos, de suspender a entrada por terra de venezuelanos.

"O fechamento da fronteira é impensável, porque é ilegal. A lei determina o acolhimento de refugiados e imigrantes nessa situação", disse Etchegoyen. "É uma solução que não ajuda em nada a questão humanitária".

O secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, pediu uma reunião urgente do Conselho Permanente para tratar a crise migratória da Venezuela, segundo sua conta no Twitter.

 

Lembranças traumáticas

Os ataques de sábado ocorreram após a agressão a um comerciante brasileiro, que ficou ferido. Parentes da vítima responsabilizaram os imigrantes e dezenas de moradores de Pacaraima, em represália, atacaram os dois principais acampamentos improvisados dos venezuelanos e queimaram seus pertences. Uns 1.200 fugiram, voltando para seu país.

As lembranças destes incidentes são traumáticos e muitos vendedores de comida e cambistas que cruzam diariamente a fronteira da cidade venezuelana de Santa Elena de Uairén asseguram que nunca viram algo parecido.

"Fomos embora assustados, não sabíamos o que ia acontecer", disse à AFP um cambista, que pediu para ter sua identidade preservada.

"Pagamos os justos pelos pecadores. Nós não temos culpa de que nosso governo esteja agindo mal", lamentou Jorge Idrogo, um venezuelano de 22 anos, que sustenta sua família vendendo comida do lado brasileiro.

O coronel Zanatta, comandante da base de Pacaraima da Operação Acolhida, estimou que nesta segunda-feira uns 900 venezuelanos vão se registrar no centro de recepção desta localidade amazônica.

Pacaraima, localidade de 12.000 habitantes, sentiu o impacto da onda migratória nos últimos três anos, com um aumento de 10% da população, a maioria em situação de rua.

O dia coincide com o início da reconversão monetária na Venezuela, decidida pelo governo do presidente Nicolás Maduro com novas cédulas que tiraram cinco zeros do bolívar, em uma tentativa de mitigar os efeitos de uma voraz inflação. No entanto, até o início da tarde não se viam as notas novas em Pacaraima e os cambistas continuavam trabalhando com bolívares velhos.
 

Tensões regionais

Entre os convocados para a reunião desta segunda-feira por Temer estão o ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, o de Direitos Humanos, Gustavo Rocha, e do da Casa Civil, Eliseu Padilha.

No domingo, o presidente anunciou o envio de 120 efetivos da Força Nacional e de 36 voluntários para atender a área da saúde.

Mas a governadora Suely Campos afirmou que as medidas adotadas pelo governo Temer "com certeza vão aliviar os impactos para nossa população, mas não resolvem o problema".

E lembrou que seu estado solicita há mais de um ano a Brasília mais recursos econômicos, sanitários, policiais e educacionais para fazer frente à onda de venezuelanos que fogem da grave crise econômica, política e social em seu país.

Entre abril e junho de 2018, 690 venezuelanos foram transferidos a outras cidades do país, entre elas São Paulo (265) e Manaus (165), como parte do projeto do governo de desafogar Roraima.

A crescente onda migratória está gerando tensões e empurrou alguns países da América Latina a adotar medidas de contenção.

O Brasil não é o principal destino escolhido pelos venezuelanos. Mas é um dos poucos países da região que não exige deles passaporte para entrar. A ONU estima que 2,3 milhões de venezuelanos tenham deixado seu país nos últimos anos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade