Publicidade

Correio Braziliense

Rio Raganello sofre cheia repentina e provoca 10 mortes na Itália

Dois grupos de excursionistas foram arrastados pela forte correnteza com o aumento repentino do nível das águas em Raganello, na província de Cosenza. Até o momento 23 pessoas foram resgatadas.


postado em 21/08/2018 10:29

Equipes de resgate são vistos no Desfiladeiro de Raganello, no sul do país(foto: Kontrolab / AFP)
Equipes de resgate são vistos no Desfiladeiro de Raganello, no sul do país (foto: Kontrolab / AFP)
 
Roma, Itália - Dez excursionistas morreram devido à cheia repentina do rio Raganello no Parque Nacional Pollino, em Calábria, sul da Itália, informou nesta terça-feira (21/8) a Defesa Civil italiana. O balanço inicial de 11 mortos foi revisado depois que as autoridades detectaram uma confusão na comunicação de informações, explicou à AFP Carlo Tanzi, porta-voz local do organismo.

Segundo a prefeitura de Cosenza, capital da província onde ocorreu a tragédia, 23 pessoas foram resgatadas, todas excursionistas que foram surpreendidos pela cheia inesperada do rio.  Três pessoas que estavam desaparecidas foram encontradas vivas em um acampamento.

A tragédia aconteceu na segunda-feira à tarde quando vários grupos de excursionistas foram arrastados pela forte correnteza com o aumento repentino do nível das águas em Raganello, na província de Cosenza.
A prefeitura informou que havia dois grupos compostos por 18 pessoas cada, que foram surpreendidos pelo mau tempo.

Segundo o jornal Corriere della Sera, entre os resgatados estariam duas crianças, uma delas internada por hipotermia. "Foi uma verdadeira avalanche de água que chegou inesperadamente, não tivemos tempo de fazer nada. Foi algo incrível, corremos com sorte no final", disse um holandês à imprensa local. 

Depois de várias horas de fortes chuvas e vento, as condições climáticas melhoraram na região da Calabria. "Temos 99,9% de certeza de que não há desaparecidos", afirmou o ministro do Meio Ambiente, Sergio Costa.

Os desfiladeiros de Raganello são uma meta cobiçada para escaladores experientes pelas dificuldades que representam e em várias ocasiões as autoridades proibiram o acesso à região.

"Queremos proteger as vítimas, mas também queremos saber por quê isto aconteceu. Esperamos um relatório detalhado da prefeitura", disse o ministro.

Os desfiladeiros do rio Raganello integram o parque nacional de Pollino, conhecido por um cânion de 13 quilômetros e por suas montanhas de mais de 2.000 metros de altura, que permitem observar, em dias de céu aberto, os três mares do sul da Itália: Jônico, Tirreno e Adriático. 

"Nunca haviam sido registradas cheias durante o verão e os excursionistas conseguiram sair porque não estava chovendo", afirmou o comandante da equipe de resgate alpino da Calabria, Luca Franzese.

Entre as vítimas está um guia de 32 anos, que era voluntário da Defesa Civil e havia participado no ano passado no resgate dos hóspedes de um hotel que foi sepultado por uma avalanche de neve após os terremotos na região central da Itália.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade