Publicidade

Correio Braziliense

África do Sul critica declaração de Trump sobre reforma agrária

A declaração feita presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no Twitter, pedia que o secretário de Estado, Mike Pompeo, apurasse a reforma agrária sul-africana e a "matança em larga escala de fazendeiros"


postado em 23/08/2018 10:18 / atualizado em 23/08/2018 12:15

Fazendeiros, políticos e atores-chave no setor agrícola ouvem o vice-presidente da África do Sul, David Mabuza, falar à AGRISA, uma associação da indústria agrícola sul-africana, em uma conferência intitulada
Fazendeiros, políticos e atores-chave no setor agrícola ouvem o vice-presidente da África do Sul, David Mabuza, falar à AGRISA, uma associação da indústria agrícola sul-africana, em uma conferência intitulada "The Land Solution" na Zwartkloof Private Game Reserve em Bela Bela (foto: STRINGER / AFP)

O governo da África do Sul criticou nesta quinta-feira (23/8) uma mensagem do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no Twitter, na qual o americano disse que pediu ao secretário de Estado, Mike Pompeo, que apure a reforma agrária sul-africana e a "matança em larga escala de fazendeiros" no país. O tuíte da noite da quarta-feira (22/8) se referia a uma matéria da Fox News que criticava a posição do governo americano sobre a reforma agrária sul-africana.

O rand sul-africano recuou em relação ao dólar após a mensagem de Trump. "A África do Sul rejeita totalmente a percepção estreita que apenas busca dividir nossa nação e nos lembrar de nosso passado colonial", afirmou o governo em mensagem em sua conta oficial no Twitter. "A África do Sul acelerará o ritmo da reforma agrária de modo cuidadoso e inclusivo, que não divida nossa nação."

O partido governista, Congresso Nacional Africano (ANC, na sigla em inglês), já disse que planeja mudar a Constituição para permitir a expropriação de terras sem o pagamento de indenizações, como forma de superar grandes desigualdades na posse da terra. Os brancos, que formam 8% da população nacional, detêm 73% das terras agricultáveis, segundo estimativas da associação de fazendeiros Agri. O presidente Cyril Ramaphosa diz que o processo será conduzido com cuidado para evitar desrespeito ao direito à propriedade e garantir a segurança alimentar e a produção agrícola.

Proprietários podem entrar na Justiça local contra o governo, caso tenham terras tomadas sem compensação justa. Mas ataques violentos sobre fazendeiros brancos chamam a atenção da imprensa local e estrangeira nos últimos anos, gerando protestos dos fazendeiros e de grupos de interesse dos brancos. Levantamentos locais mostram que o número de fazendeiros mortos tem recuado nos últimos 20 anos, chegando à mínima de 47 em 2017/2018. Já os ataques contra fazendas, que incluem estupro, roubos e agressões, aumentaram nos dois últimos anos, para 561 em 2017/2018, embora bem abaixo da máxima de 1.069 ataques de 2001/2002. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade