Publicidade

Correio Braziliense

Ex-banqueiro suíço fecha delação sobre fortuna da família de Maduro

O executivo europeu é acusado de ter permitido a existência de um esquema que lavou mais de US$ 1,2 bilhão, principalmente ao promover desvios da PDVSA, a estatal do petróleo da Venezuela


postado em 24/08/2018 10:37 / atualizado em 24/08/2018 11:13

Enteados do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, são suspeitos de terem desviado uma fortuna de mais de US$ 180 milhões para contas secretas. Investigações feitas nos Estados Unidos, com a colaboração da Suíça, fazem parte de um acordo de delação premiada com o ex-banqueiro suíço Matthias Krull. O executivo europeu é acusado de ter permitido a existência de um esquema que lavou mais de US$ 1,2 bilhão, principalmente ao promover desvios da PDVSA, a estatal do petróleo da Venezuela.

O ex-banqueiro foi detido pela polícia americana e, nesta semana, fechou um acordo de delação premiada, admitindo sua participação em um esquema de corrupção em Caracas. De acordo com o Departamento de Justiça dos EUA, Krull "admitiu culpa em uma denúncia de conspiração para cometer lavagem de dinheiro".

"Como parte de sua delação, Krull admitiu que em sua posição num banco suíço, ele atraia clientes privados, especialmente clientes da Venezuela", indicou o Departamento de Justiça americano. "Em seu papel, os clientes de Krull incluíam Francisco Convit Guruceaga, que foi indiciado por lavagem de dinheiro", explicou. Convit é um empresário venezuelano sócio do governo em uma empresa mista, a Petrozamora.

Ainda de acordo com a investigação americana, entre os clientes do ex-banqueiro estavam também outros três venezuelanos. Pessoas próximas ao caso confirmaram que eles são os três enteados de Maduro. Como parte do acordo com a Justiça americana, Krull aceitou colaborar com as investigações relativas às pessoas próximas a Maduro.

O dinheiro que eles teriam desviado seria quatro vezes superior ao que a ONU pede para atender aos refugiados venezuelanos espalhados por oito países da América Latina.

Em três anos, 300 mil venezuelanos pediram asilo no exterior e, no total, 2,3 milhões de pessoas deixaram o país diante de uma crise econômica e política que levou a Venezuela ao colapso.

Nos documentos oficialmente publicados até agora pelo Departamento de Justiça dos EUA, os nomes dos enteados e mesmo o de Maduro estão mantidos em sigilo. Investigadores que fizeram parte do processo, porém, confirmam que eles se referem a essas pessoas próximas ao presidente venezuelano.

Por meio de um esquema de câmbio entre o bolívar e o dólar, Krull teria lavado cerca de US$ 1,2 bilhão, dinheiro desviado de esquemas de corrupção na PDVSA. Ele confessou ter usado propriedades na Flórida, falsas declarações de investimentos e esquemas com administradores de contas para permitir que o valor desviado fosse lavado.

"Entre os co-conspiradores indiciados ao lado de Krull estão membros da direção da PDVSA, profissionais de escritórios de lavagem de dinheiro e membros da elite venezuelana, conhecida como 'boliburguesia'", explicou o Departamento de Justiça.

Com 44 anos, Krull trabalhava para o banco suíço Julius Baer. De nacionalidade alemã e residente do Panamá, ele havia deixado a instituição em julho.

Em comunicado, o banco afirmou que está "conduzindo investigações internas com base em informações disponíveis no acordo de delação do ex-funcionário". "O Julius Baer está cooperando com as autoridades competentes, como tipicamente fazemos em casos envolvendo alegações ligadas à instituição."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade