Publicidade

Correio Braziliense

Irã espera deter sanções americanas na Corte Internacional de Justiça

As medida afetam o setor de petróleo e gás, que desempenha um papel fundamental na economia iraniana.


postado em 24/08/2018 11:41 / atualizado em 24/08/2018 12:22

Haia, Holanda - O Irã iniciará na segunda-feira (27/8) um processo contra os Estados Unidos perante a Corte Internacional de Justiça (CIJ) para tentar acabar com as sanções americanas, levando para o âmbito judicial o confronto sobre as ambições nucleares de Teerã.

Em julho, o Irã lançou um procedimento contra os Estados Unidos perante o CIJ, o principal órgão judicial da ONU com sede em Haia, após a decisão do presidente Donald Trump de fortalecer as sanções contra a República Islâmica. Em maio, o presidente americano já havia anunciado a retirada de seu país do acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano, alcançado em 2015, e sob o qual as sanções tinham sido suspensas.

Após uma primeira onda de sanções, lançada no início de agosto, em 5 de novembro outras medidas entrarão em vigor, afetando o setor de petróleo e gás, que desempenha um papel fundamental na economia iraniana. Teerã espera que os juízes da CIJ ordenem aos Estados Unidos que "parem imediatamente" essas medidas. O Irã argumenta que o restabelecimento das sanções viola múltiplas disposições do tratado iraniano-americano de 1955.

A corte terá que decidir sobre o fim provisório das sanções que o Irã exige nos dois meses seguintes ao início das audiências, que serão abertas na segunda-feira. Uma decisão final sobre o caso pode levar anos.

Assédio econômico

Segundo Teerã, a restauração das sanções americanas já tem um impacto negativo na economia do país. O rial iraniano perdeu cerca de metade do seu valor desde abril.  Várias empresas - incluindo as francesas Total, Peugeot e Renault, assim como as alemãs Siemens e Daimler - anunciaram o fim de suas atividades no Irã devido as sanções.

"Os Estados Unidos impõem um cerco econômico ao Irã, com todas as consequências dramáticas que isso acarreta para a população iraniana sitiada", ressalta Teerã em seu pedido à CIJ.

Várias grandes potências desaprovaram a retirada unilateral dos Estados Unidos do acordo sobre o programa nuclear, no qual o Irã se compromete a não desenvolver armas atômicas. "A posição do Irã é reforçada pelo apoio de muitos países europeus, e um dos objetivos é denunciar publicamente os atos dos Estados Unidos", indicou Eric De Brabandere, professor de "Solução de disputas internacionais" na Universidade de Leiden (Holanda). 

Os casos judiciais do Irã, portanto, geram "uma certa reivindicação", explicou à AFP.

Atividades danosas

Para Donald Trump, as sanções se destinam a "aumentar a pressão" sobre o regime iraniano para que "mude de comportamento", especialmente no que diz respeito ao seu programa balístico e ao conjunto de "suas atividades danosas". O presidente americano indicou, no entanto, estar "aberto" a um novo acordo sobre o programa nuclear com o Irã.

Mas o guia supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, declarou na semana passada que não haveria "guerra, nem negociações com os Estados Unidos", o que pôs fim às esperanças de entendimento. 

Em 8 de outubro, a CIJ começará a examinar outra denúncia que o Irã apresentou contra os Estados Unidos em 2016 pelo congelamento de quase 2 bilhões de dólares de ativos iranianos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade