Publicidade

Correio Braziliense

Papa diz que países devem pensar bem antes de devolver imigrantes

Segundo o pontífice, imigrantes devolvidos acabam sob domínio de traficantes de pessoas


postado em 27/08/2018 07:40 / atualizado em 27/08/2018 09:02

O papa viajou a Dublin, na Irlanda, para o Encontro Mundial das Famílias.(foto: Ben Stansall/ AFP)
O papa viajou a Dublin, na Irlanda, para o Encontro Mundial das Famílias. (foto: Ben Stansall/ AFP)
 
A bordo do avião do Vaticano, o papa Francisco afirmou que se "deve pensar muito bem" antes devolver a outros países os imigrantes que chegam à Europa, ao assegurar que conhece as torturas que sofrem muitos deles.

Ele usou a expressão durante entrevista a bordo do avião de volta de sua viagem à Irlanda, quando foi perguntando sobre a responsabilidade da Europa no tema de imigração e o recente caso do navio militar italiano Diciotti.

O pontífice respondeu aos jornalistas que viajam com ele, entre eles a enviada da Agência EFE, que o primeiro a tramitar na imigração é "a abertura do coração", depois, "a condição da integração" e, finalmente, "a prudência de quem governa".

Traficantes

Francisco revelou, além disso, que viu um vídeo sobre o que ocorre aos homens devolvidos e voltam a cair nas mãos de traficantes. "É horroroso. As mulheres e as crianças são vendidas e os homens sofrem as torturas mais sofisticadas", lamentou. "Para mandar-lhes outra vez tem que se pensar bem, muito bem", acrescentou.

O papa destacou também o valor da integração no momento da amparada, e lembrou que os terroristas do atentado no aeroporto de Bruxelas tinham nascido no país de pais imigrantes, mas nunca tinham se integrado.
"Um povo que pode receber, mas não integrar é melhor que nem acolha e este é um ponto do diálogo na União Europeia", ressaltou.

Ao ser questionado sobre o navio Diciotti, que permaneceu sem desembarcar com 150 imigrantes a bordo, por mais de 10 dias diante da recusa do ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, Francisco comentou que a situação foi resolvida, em parte, graças à Conferência Episcopal italiana.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade